Menina de 12 anos mata mãe com namorado

Menina de 12 anos mata a mãe com a ajuda do namorado de 16 anos. A mãe foi assassinada com um martelo e enterrada no pátio da casa onde morava. Segundo a notícia no G1: “Menina de 12 anos e namorado têm internação provisória decretada por suspeita de matar a mãe dela”[1].

Este blog já publicou outro caso de matricídio (filha matando a mãe) onde a filha de 14 anos mata mãe com ajuda do namorado. Não deixe de ler a outra postagem. E aí, como entender o caso? O que fazer? Veja que os casos são parecidos, filhas matando suas próprias mães com a ajuda do namorado.

O assassinato teria sido premeditado por vingança, segundo o promotor e delegado do caso[1]. Além da mãe ser contra o relacionamento do casal, ela denunciou o homem de 16 anos na delegacia por estupro de vulnerável. Infelizmente, lei criminaliza o sexo consentido antes dos 14 anos desde de 1940.

A pergunta que fica: Como um vulnerável pode ser incapaz de consentir sexo, mas capaz de engravidar e de matar a própria mãe? Não tem consciência para consentir sexo, mas tem para premeditar o assassinato da própria mãe? Isso não faz o menor sentido. A lei considera pessoas a partir dos 12 anos responsáveis por seus crimes (chamados formalmente de atos infracionais), ao menos essa idade deveria ser usada no lugar dos 14 anos para consentimento sexual.

A criminalização do sexo consentido é uma violência e gera violência. Tratar como estupro é pior ainda. Provavelmente, essa mãe estaria ainda viva se o sexo consentido de sua filha não fosse criminalizado e igualado a um estupro. Não há justificativa para o crime hediondo que a filha cometeu. Porém, a mãe se valeu de uma lei antinatural para prejudicar o homem, namorado da sua filha.

O pessoal moralista que infantiliza jovens precisa entender que uma mulher de 12 anos não é mais criança. Isso mesmo, a novinha de 12 anos não é criança. A legislação entende isso ao classificá-la como adolescente, mas se contradiz quando criminaliza o sexo consensual. Criança é quem não atingiu a puberdade, em geral, quem tem menos de 9 anos de idade. A infância é uma fase que vai só até início da puberdade, por volta dos 9 anos de idade.

A maioridade da natureza é a puberdade. A nossa espécie entra na puberdade para procriar. Não é por acaso que essas jovens podem engravidar. Por isso, que por volta dos 9-10 anos, os filhos começam a se distanciar dos pais. As amizades ganham mais destaque e o desejo por namorar aflora. Os judeus sabiamente, reconhecem isso ao definir a mulher de 12 anos como adulta e habilitada até para o casamento conforme a tradição.

Infantilizar adolescentes é antinatural. É um desrespeito a sua natureza.

[1] “Menina de 12 anos e namorado têm internação provisória decretada por suspeita de matar a mãe dela” -https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/menina-de-12-anos-e-namorado-tem-internacao-provisoria-decretada-por-suspeita-de-matar-a-mae-dela.ghtml

[2] “Irmã caçula da menina de 12 anos suspeita de matar a mãe em Pinheiro Machado estava na casa no momento do crime, diz delegado” -https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/irma-cacula-da-menina-de-12-anos-suspeita-de-matar-a-mae-em-pinheiro-machado-estava-na-casa-no-momento-do-crime-diz-delegado.ghtml

Anúncios

Filha mata mãe com ajuda do namorado

Adolescente de 14 anos assassina a própria mãe com a ajuda do namorado de 16 anos. O motivo teria sido porque a mãe da menina, aluna do Colégio Adventista da Cohab, não apoiava o relacionamento dela com o rapaz, ambos menores de idade (vulgo “di menó“).

Namorados homicidas

Casal de adolescentes assassinos.  Leths Cutrim e Guii Botelho II (Fonte: Facebook).

Um crime bárbaro cometido na manhã de sábado (23/07/2016) chocou pela crueldade. Tatiana Albuquerque Cutrim Alves, de 49 anos, foi assassinada em sua residência no bairro do Parque Aurora, próximo ao Cohatrac, em São Luís, no Maranhão. A vítima assassinada foi encontrada com um armador de redes envolvido no pescoço. A mulher recebeu três golpes de faca, duas facadas no pescoço e outra facada no abdômen.

Mãe morta pela filha de catorze e seu namorado de dezesseis

Adolescente mata a própria mãe, que não concordava com seu relacionamento. amoroso. Postagem compartilhada, na rede social Facebook, por pessoas indignadas com o assassinato

De acordo com informações da polícia, a jovem adolescente de 14 anos agiu com a ajuda do namorado de 16 anos. Segundo o delegado da Delegacia de Homicídios, Estefânio Aragão, a razão do crime de homicídio teria sido porque a mãe adotiva da novinha não teria aprovado o relacionamento amoroso dela.

Tatiana Albuquerque Cutrim

Tatiana Albuquerque Cutrim Alves, assassinada pela filha adotiva de 14 anos.

O que fazer nessa situação?

O casal cometeu um crime bárbaro, um assassinato, crime hediondo, um homicídio qualificado, talvez um feminicídio pela relação de parentesco. Mas, por serem menores de 18 anos (a idade penal), eles não respondem diretamente por esse homicídio bárbaro, que à luz do ECA trata-se apenas de ato infracional, que pode levar os jovens a serem internados por alguns meses.

No ano passado, em 2015, foi aprovada em dois turnos, na câmara dos deputados, a redução da maioridade penal para 16 anos em casos de crimes hediondos, exceto tráfico de drogas. Mas, a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) não andou no Senado. Mesmo assim, ainda seria pouco, porque a assassina da própria mãe tem 14 anos, menos de 16 anos.

O fato do rapaz ter concordado em cometer um assassinato (matar a mãe da moça) já evidencia que a mãe tinha razão em proibir o relacionamento deles, mas talvez a mãe não esperava que a própria filha fosse pior que o namorado.

Casos de filhas aliciando namorado para matar os próprios pais infelizmente acontece e talvez o mais famoso deles no Brasil seja o caso da Suzane von Richthofen, que mandou matar os próprio pais Manfred Albert von RichthofenMarísia von Richthofen, casal assassinado pelos irmãos Daniel Cravinhos e Cristian Cravinhos a mando da filha.

Está escrito na Bíblia:

“Desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea. Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á a sua mulher, E serão os dois uma só carne; e assim já não serão dois, mas uma só carne”. Marcos 10:6-8

É fato que a sociedade moderna infantiliza adolescentes, tratando-os como crianças grandes, e tal tratamento causa grande irritação nesses jovens, mas isso não justifica tamanha crueldade com os próprios pais.