Menina de 12 anos foge com “cinquentão” hippie

A mesma notícia sendo abordada de forma diferente pelo portal R7 (r7.com) em duas reportagens (matérias jornalisticas), uma feita pelo RecordTV Minas e outra pelo Cidade Alerta.

Reportagem da RecordTV Minas: “Menina de 12 anos foge com ‘cinquentão’ e deixa carta dizendo que iria suicidar“[1]

Reportagem do Cidade Alerta: “Mãe salva filha de 12 anos das mãos de pedófilo“[2]

A RecordTV Minas foi preconceituosa ao destacar o “cinquentão” (preconceito etário).
Mas, apesar disso, abordou a notícia de forma melhor e mais isenta que o Cidade Alerta, que infelizmente, vive de sensacionalismo. Um programa sem credibilidade nenhuma por ser demasiadamente sensacionalista e que lucra em cima da violência e do medo das pessoas. Imaginem um programa desse na época em que negros e gays eram discriminados. Esses programas seriam cruelmente racistas e homofóbicos.

A reportagem do RecordTV Minas acertou ao chamar a mulher de 12 anos de adolescente. Sim, tanto legalmente, quanto biologicamente, uma menina de 12 anos é adolescente, não criança. Felizmente, não apelaram para o “criança de 12 anos” e nem para o “pedófilo“. Típicos termos que maus jornalistas se valem para fazer suas reportagens sensacionalistas, como as reportagens do Cidade Alerta. Criança é quem não atingiu a puberdade, em geral, menores de 9 anos de idade. Pedofilia é antes da puberdade.

O Cidade Alerta é o típico programa que transforma qualquer ladrão de galinha em perigosíssimo serial killer. É comum pessoas inocentes serem cruelmente prejudicadas por programas assim. É um programa que se aproveita do medo das pessoas para lucrar com audiência. Falta ética e profissionalismo nesse programa. Mas, nesse mundo capitalista ganhar dinheiro é o mais importante na mente de muitas pessoas.

A mãe não salvou a filha de pedófilo nenhum. Uma garota de 12 anos é velha para um pedófilo (pedofilia é antes dos 9 anos de idade) e a moça fugiu com o rapaz, ela não foi raptada pelo homem. Ela fugiu e estava querendo ser salva da própria mãe. A situação é tão séria que a jovem prometeu se suicidar (deixou uma carta dizendo que iria tirar a própria vida).

Se o jovem adolescente, seja homem ou mulher, não se entende com seus pais, é melhor que fuja de casa do que atente contra a própria vida ou chegue ao ponto de matar seus próprios pais, como nesse infeliz e drágico caso: Menina mata a mãe

Será que a jovem mulher é apaixonada pelo hippie e fugiu para viver esse amor? Ou o ambiente famíliar é muito hostil? Dizem que o homem tem mais de 50 anos (não parece tanto) e muita gente é preconceituosa. O problema de muitos pais é idealizar os próprios filhos e nessa idealização há muitos preconceitos embutidos e a vontade de realização dos pais nos filhos. Mas, os filhos não são continuação dos seus pais. São outras pessoas e é natural que discordem de seus pais.

No vídeo, a mãe diz: “Você poderia fazer qualquer coisa, mas fugir? Minha filha você sabe o que esse homem vai fazer com você? Ele vai te estuprar e depois te prostituir”. Diante do desespero da mãe a menina não demostrou nenhum sinal de arrependimento e ainda gritou com a mãe: “Tira suas mãos de mim.” A mãe pediu ajuda de pessoas no lugar para impedir o embarque da jovem mulher.

Vídeo: MÃE IMPEDE FUGA DA FILHA DE 12 ANOS COM HIPPIE:

Vídeo: Mãe consegue impedir que filha de 12 anos fugisse com hipster:

Aparentemente é mais um caso de filha que foge com amante por seus pais não aceitarem o seu relacionamento amoroso. Ela não é a primeira mulher a fugir e nem será a última. Esses casos não são raros. Por que será que jovens mulheres chegam ao ponto de fugir com seus amados?

Apesar da sociedade moderna infantilizar adolescentes, a adolescência faz parte da fase adulta. A infância termina por volta dos 9 anos de idade, com o início da puberdade (a puberdade feminina não começa com a menarca, mas sim anos antes e o primeiro sinal visível é o aparecimento do broto mamário).

Uma mulher de 12 anos de idade já está na fase de deixar seus pais e ir formar seu próprio ninho com o seu amante. Por isso, que elas sentem muita vontade de namorar e de enfretar a autoridade dos pais. Ela sente grande desejo de ser independente e fazer as suas próprias escolhas, como qualquer mulher adulta. E ela é adulta! A fase adulta da mulher começa com a puberdade. A puberdade começa por volta dos 9 anos de idade, não 18.

Com a puberdade, o sexo ganha importância na vida das pessoas (homens e mulheres). O jovem adulto passa a deixar os pais de lado e a querer resolver seus próprios problemas, a valorizar mais as amizades (seu relacionamento social) e a buscar possíveis parceiros sexuais e amorosos. Por isso, que há mulheres, em geral, maiores de 11 anos, que chegam a fugir com seus amados. Essas mulheres apenas estão seguindo o caminiho natural da vida. Não são vadias e nem vagabundas por isso, como infelizmente algumas pessoas falam. São mulheres de atitude, que vão atrás do que querem. E como toda experiência pode ser boa ou ruim. A jovem mulher pode viver um grande amor ou quebrar a cara, se decepcionar. Faz parte da vida.

[1]http://noticias.r7.com/minas-gerais/menina-de-12-anos-foge-com-cinquentao-e-deixa-carta-dizendo-que-iria-suicidar-24032017

[2]http://noticias.r7.com/cidade-alerta/videos/-mae-salva-filha-de-12-anos-das-maos-de-pedofilo-24032017

Kelly Key, Baba Baby e Amor

Baba“, também conhecida como “Baba Baby“, música de Kelly Key (Kelly de Almeida Afonso Freitas) do seu álbum Kelly Key de 2001, seu primeiro álbum homônimo, lançado em 17 de agosto pela Warner Music Brasil. Kelly mostrou para Andinho, um parceiro de composição, uma canção composta por ela aos 13 anos de idade, intitulada “Baba”, a qual tratava de um professor que havia a desprezado quando criança e passou a se interessar por ela já adolescente, ou seja, quando a criança cresceu e se tornou uma bela mulher. Apesar de inicialmente não achar que a canção seria boa o suficiente para o seu trabalho musical, ela e Andinho trabalharam na faixa de música, incorporando novos versos e criando um desfecho para incluí-la no álbum. A música acabou sendo o maior sucesso da artista e fez parte da campanha do Governo Federal pelo incentivo ao uso da camisinha, em 2002.

‘O papel de conselheira é o mesmo que Kelly interpretou quando contratada pelo Ministério da Saúde para fazer campanha pelo uso da camisinha, no Carnaval passado. Apesar de doar o cachê – cerca de R$ 50 mil – a uma instituição, a escolha do governo gerou polêmica. Quem a criticou disse que ela não tinha bagagem pedagógica para falar sobre o certo e o errado à juventude. Também foi qualificada como fútil e mulher-objeto. “Não sou a pessoa correta para dar conselho, porque já recebi muitos e não segui nenhum”, explica-se. “Mas nunca tive problemas com drogas e sempre usei camisinha. Tenho o perfil certo para falar com a juventude, porque vivi muito nova a minha vida.”’ (istoegente)[5]

Faixas do álbum de 2001: “Escondido“, “Só Quero Ficar“, “Bolada“, “Anjo“, “Baba“, “Brincar de Amor“, “Tudo Com Você“, “Quem é Você?“, “Viajar no Groove“, “Cachorrinho“, “Escondido” (remix). Foram gravadas em 2000 e 2001.

A canção “Baba”, Baba Baby, foi escrita originalmente quando ela tinha 13 anos, como um desabafo pessoal. Kelly Key, aos 7 anos de idade, era apaixonada pelo seu professor de educação física, que não queria nada com ela por ser muito nova. Mas, quando ela chegou à puberdade, e cresceu, ele passou a se interessar por ela. A mulher atraente de 12-13 anos, de corpo exuberante, já não era mais aquela criança de 7 anos, sem desenvolvimento puberal.

Kelly Key, além de ter um corpo maravilhosamente moldado pela puberdade, aos 12 anos, a mulher ainda malhava numa academia. O seu professor, que não se interessara pela menina de 7 anos, passou a desejar a mulher de 12-13 anos, que magoada pelo desprezo de outrora, passou a provocar e desprezar o tal professor, como vingança. Aos 13 anos, ela escreve a música “Baba” e conhece o seu novo amor, o cantor Latino (nome artístico de Roberto de Souza Rocha) e começou a namorá-lo. Latino logo engatou um relacionamento com a jovem mulher com quem casou aos 16 anos e teve uma filha. Ficaram juntos 5 anos (1997-2002). 

“Da infância tímida em Jacarepaguá, zona oeste do Rio, Kelly de Almeida Afonso não era sombra do que é, hoje: cantora desinibida, mulher polêmica. Esse perfil começou a ser traçado aos 13 anos, quando ela investiu numa história de amor com um homem dez anos mais velho, casado e com filhos na bagagem. Latino, nome artístico de Roberto Souza Rocha, um cantor de funk do subúrbio carioca de Maria da Graça, foi por cinco anos um misto de amante, marido e empresário de Kelly” (istoegente)[5]

Kelly Key com o seu namorado Latino

Kelly Key, aos 13 anos de idade, começou a namorar Latino de 23.

Trechos da canção “Baba”:

“Você não acreditou
Você nem me olhou / Você sequer notou
Disse que eu era muito nova pra você
Mas agora que cresci você quer me namorar”
“Não vou acreditar nesse falso amor
Que só quer me iludir me enganar isso é caô
E pra nao dizer que eu sou ruim
Vou deixar você me olhar
Só olhar, só olhar, baba
Baby, baba”
“Olha o que perdeu
Baba, criança cresceu
Bem feito pra você, é, agora eu sou mais eu
Isso é pra você aprender a nunca mais me esnobar
Baba baby, baby, baba, baba
Baby, baba”[1]

Muitas garotas se irritam com o fato de não despertarem interesse relevante do sexo maculino quando ainda não entraram na puberdade, ou estão no início dela, e depois, com o corpo desenvolvido, passarem a se preterida por muitos homens. Elas ficam chateadas com a realidade, porque acreditam que um homem deveria ter interesse por ela antes dela ter o corpo desenvolvido para ser amor de verdade. Afinal, no conceito cristão de ágape, quem ama, ama além do corpo. Mulheres querem ser amadas independentemente do corpo que tenham.

A puberdade feminina começa por volta dos 9 anos, é esperado que o erótico e o sexo ganhe importância em sua vida, que o corpo seja modelado e amadureça sexualmente. Logo, não se trata de sexualidade infantil, que por definição é impúbere, mas de sexualidade adulta, que é púbere. Nessa mudança corporal, muitas jovens mulheres se frustam ao ver como um corpo desenvolvido e bonito faz diferença na hora de arrumar um namorado, mas, por outro lado, também ficam envaidecidas diante do seu poder de sedução. O crush (gíria copiada dos EUA, que significa pessoa por quem se tem sentimento, desejo, paixão ou amor platônico), que antes a esnobava, pode começar a se deslumbrar e desejá-la.

[1]https://www.vagalume.com.br/kelly-key/baba.html

[2]https://pt.wikipedia.org/wiki/Kelly_Key_(álbum_de_2001)

[3]http://www.letras.com.br/curiosidades/kelly-key

[4]http://livrocaiunarede.blogspot.com.br/2006/03/baba-kelly-key.html

[5]http://www.terra.com.br/istoegente/199/reportagens/capa_kelly_key_01.htm

Adolescentes na Playboy

As mulheres mais jovens a posarem para a revista brasileira “Playboy” foram adolescentes. O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) define como adolescente a pessoa entre 12 e 18 anos de idade. A OMS (Organização Mundial de Saúde) classifica como adolescente o indivíduo entre 10 e 20 anos. Já biologicamente, a adolescência começa por volta dos 9 anos de idade, com o início da puberdade, e termina entorno dos 13-14 anos, com o fim da puberdade. Do ponto de vista biológico, a adolescência é a própria puberdade.

Algumas adolescentes, jovens mulheres menores de idade, já posaram nuas para a revista Playboy do grupo Abril de Roberto Civita. A publicação periódica de entretenimento contou com ensaios de belas novinhas, teens, como Verônica Rodrigues (14), Andréa Cardoso (14), Luciana Vendramini (16), Tania Tavares (16), Patricia Paixão (16) e Claudia Raia (17). Para aproveitar o mercado de ninfetas, chegou a lançar a publicação Ninfetas da Playboy e a anunciar a atriz Paloma Duarte como “Paloma Duarte – 18 anos com corpinho de 15”, em outdoors e cartazes..

A Playboy não era uma revista pornográfica, porque não havia práticas sexuais. A publicação de entretenimento masculino fazia apenas ensaios sensuais com mulheres peladas, ou seja, com a nudez feminina, como uma obra de arte, um trabalho de modelo fotográfica. Mulher de 14 anos chegando a comprar apartamento apenas por posar nua não é nada demais, não deixa de ser um grande negócio. A pesar de algumas mulheres menores de idade posarem nua na revista, as publicações da Playboy tinham sua venda proibida para menores de 18 anos, ou seja, pura hipocrisia. Mas, adolescentes sempre davam um jeito que obtê-las.

Adolescentes legais, como definidos pelo ECA, não são crianças. Criança é quem tem menos 9 anos, quem não atingiu a puberdade. A puberdade começa por volta dos 9 anos, não 18. Adolescentes são eróticos por natureza. Não é à toa que, historicamente, aos 12 anos, mulheres já estavam casando, como os índios fazem. Nos rapazes, o período de maior ocorrência da polução noturna é de 12 a 20 anos (ejaculação involuntária que ocorre durante o sono), devidas às altas taxas hormonais.

Posar para a Playboy, não há grande exposição e fama como ser artista, cantor, cantora, ator, atriz apresentador(a) de televisão, como a dupla Sandy e Júnior, de 4 e 5 anos, e a apresentadora Maísa Silva, de 6 anos. Se crianças podem ficar muito famosas e sofrerem com isso, já que a fama tem o seu preço. Uma mulher adolescente posar para a Plaboy, assim como ser modelo fotográfico, não seria nada demais, especialmente hoje em dia que mulheres se desnudam de graça na Internet e a nudez está mais naturalizada.

Não há nada de erotização precoce numa fase da vida onde se pode até engravidar. Quem erotiza é a própria puberdade e essa erotização é natural. Negar essa realidade é imoral, antinatural e anticristã. E movimentos que infantlizam adolescentes são satânicos, desonestos e antiéticos.

Aos puritanistas cristãos, digo, não se pode negar a sexualidade como forma de evitar a banalização do sexo. Negar a sexualidade é negar o próprio Deus. As pessoas entram na puberdade para se reproduzir, para fazer sexo mesmo, por isso que existe a atração sexual, que é uma atração adulta, não-infantil. A puberdade desenvolve as características sexuais secundárias (ou seja, adultas). A fase adulta começa com a puberdade por volta dos 9 anos e não 18 (maioridades civil e penal). Logo, é imoral negar a sensualidade e o erotismo da adolescência e infantilizar a sexualidade do jovem. A maioridade civil foi indevidamente usada para separar maiores de menores, infantilizando adolescentes. A verdadeira maioridade é a puberdade e esta realidade não pode ser negada.

As novinhas (ou seja, as jovens mulheres adolescentes) são inspiração de músicas, como Garota de Ipanema, da Bossa Nova, às populares canções do funk e sertanejo.

Verônica Rodrigues, 14 anos, Garota de Ipanema de 1989 e Capa da Playboy

A modelo Verônica Rodrigues foi Garota de Ipanema de 1989 e gata da capa da revista Playboy de Julho de 1989, aos 14 anos de idade. Ela começou a participar de concursos de beleza aos 13 anos, participou de 10 concursos e venceu todos, dentre eles, o concurso Garota de Ipanema. Ela participou do concurso Garota de Ipanema ainda com 13 anos e disputou com umas 60 candidatas. Completou 14 anos em janeiro de 1989, dias antes da final do concurso. A adolescente estudava normalmente e fazia ballet.

O seu principal incentivador foi seu pai, que a acompanhava. Já sua mãe não curtia muito o fato dela ser modelo. Era natural que todas as Garotas de Ipanema recebessem convite da Playboy. Veronica venceu o Concurso Garota de Ipanema de 89 e foi convidada para posar para a Playboy no mesmo ano. A final do concurso aconteceu em janeiro de 1989, dias após Verônica completar 14 anos. Em seguida, a revista entrou em contato. As fotos foram feitas em abril do mesmo ano. Ser Garota de Ipanema era o sonho de menina da Verônica.

A exigência da mãe da Verônica para poder permitir que a filha posasse nua para a revista, foi que as fotos fossem discretas. Sua mãe não curtia sua carreira de modelo fotográfico. Mas, seu pai, ao contrário, era um grande incentivador. Com o dinheiro recebido por ter posado nua, Verônica comprou um apartamento (seu primeiro imóvel).

“Sinto orgulho por fazer parte da história da Playboy, por ter conquistado um imóvel aos 14 anos com um trabalho honesto, por ter me destacado”
(Verônica Rodrigues, issuu.com/playbrinks, agosto/2014)

Verônica Rodrigues Entrevistada pela Playbrinks

Verônica Rodrigues conta sua história numa entrevista para a Playbrinks em agosto de 2014

Garota de Ipanema” foi uma canção composta por Tom Jobim e Vinícius de Moraes quando viram a jovem Helô Pinheiro (ainda Heloísa Eneida Menezes Paes Pinto) , aos 17 anos, andando distraída de biquíni pelas areias da Praia de Ipanema, em frente ao Bar Veloso (hoje Garota de Ipanema). A música foi baseada na “Menina que passa“. Por ter inspirado a canção, Helô Pinheiro é considerada a Eterna Garota de Ipanema.

“…Tão linda no espaço
Eu vi a menina
Que vinha num passo
Cheio de balanço
Caminho do mar”
(Menina que passa)

“Olha que coisa mais linda,

Mais cheia de graça
É ela menina
Que vem e que passa
Num doce balanço, a caminho do mar
Moça do corpo dourado
Do sol de Ipanema
O seu balançado é mais que um poema
É a coisa mais linda que eu já vi passar…”
(Garota de Ipanema, 1962)

Verônica Rodrigues (nasceu em janeiro de 1975) na capa da Playboy:

Verônica Rodrigues eleita Garota de Ipanema de 1989 e Capa da Playboy de julho de 1989

Verônica Rodrigues, 14 anos de idade, Garota de Ipanema de 1989 e Gata da Capa da Revista Playboy de julho de 1989.

“Fiz a revista com 14 anos. Meus pais autorizaram porque naquela época com o dinheiro do trabalho comprei meu primeiro imóvel. Hoje em dia as meninas saem praticamente de graça, se desvalorizam postando fotos praticamente peladas na internet.” (Verônica Rodrigues)[1].

Afirmações de Verônica Rodrigues no Instagram leitor.playboy

Comentários de Verônica Rodrigues sobre quando foi capa da revista Playboy no perfil leitor.playboy do Instagram.

Além da Verônica Rodrigues, Garota de Ipanema de 1989, não se pode deixar de citar outras belas mulheres menores de idade que fizeram muitos homens babar por sua sensualidade.

Andréa Cardoso (Andréa Ormeneze Cardo) nasceu 31/12/1975: Por tanto, tinha 14 anos na Playboy de setembro de 1990 (capa Mônica Fraga) e 15 na Ninfetas da Playboy de abril de 1991 (sendo capa).

Playboy de setembro de 1990 com Mônica Fraga e Andréa Cardoso

Playboy de setembro de 1990 com Mônica Fraga (capa da revista) e a Ninfeta do Fantastico Andréa Cardoso

Aos 14 anos de idade, Andréa Cardoso posou nua para a Playboy de setembro de 1990, mas Mônica Fraga foi a capa. Já aos 15 anos de idade, Andréa foi capa da Ninfetas da Playboy de abril de 1991.

As Ninfetas da Playboy abril 1991 Andréa Cardoso capa da Playboy

As Ninfetas da Playboy 189 de abril de 1991 com Andréa Cardoso (capa da revista)

Luciana Vendramini, quase paquita do Xou da Xuxa e Capa da Playboy

Muitos pensam que Luciana Vendramini foi paquita do Xou da Xuxa por causa da sua foto vestida de paquita, mas ela, apesar de muito bonita, não foi selecionada para o grupo da primeira geração de paquitas. A ninfeta se dizia virgem quando posou nua para a Playboy

Luciana Regina Vendramini

Luciana Regina Vendramini (Jaú, 10 de dezembro de 1970). Estreou na televisão como candidata a paquita do Xou da Xuxa (primeira geração) na TV Globo, em 1986, mas perdeu para Ana Paula Guimarães (a primeira Catuxa do grupo paquitas). Foi Garota do Fantástico e posou para um ensaio da revista Playboy em 1987 (capa de dezembro).

Claudia Raia (Maria Cláudia Motta Raia de Mello, nascimento: 23 de dezembro de 1966), posou com 17 anos quando foi capa de 03/1984.
A atriz global Claudia Raia ainda era conhecida como “Maria Cláudia” quando posou nua para a revista pela primeira vez em 03/1984.

Maria Cláudia Capa da Playboy de Marco de 1984

Cláudia Raia, aos 17 anos de idade, foi capa da revista Playboy pela primeira vez. A atriz da Globo ainda se chamava “Maria Cláudia” quando posou nua.

A pesquisa parou por aqui. Encontrar essas mulheres deu trabalho e foi suficiente para elaboração desse artigo. Provavelmente as mulheres mais novas a posar para a revista Playboy tinham 14 anos, como as meninas citadas. Ganharam bastante dinheiro com a sensualidade que Deus lhes deu. As publicações são legais porque os pais permitiram que suas filhas posassem nuas na época.
Não faz sentido em haver polêmica com a nudez de uma jovem mulher, adolescente, novinha ou teen, como queira se referir. A puberdade começa aos 9 anos, não 18. E a idade da razão é aos 7 anos. Não deveria haver qualquer discriminação na sexualidade, já que ela é natural

Links acessados em 20/02/2016

[1]https://www.instagram.com/p/BAH85aEJZlE/

[2]https://www.instagram.com/p/qHgn6tCESQvhOIom50vLw0BQI7Fw1zoZSYpdI0/

[3]issuu.com/playbrinks

[4]femeasvip.blogspot.com.br/2011/07/andrea-cardoso.html

[5]https://noticias.uol.com.br/politica/politicos-brasil/2006/deputado-estadual/31121975-andrea-cardoso.jhtm

Professora é presa por fazer sexo com aluno de 13 anos no Texas

Professora de 24 anos é presa por fazer sexo consentido com um aluno de 13 anos no Texas, Estados Unidos. Ela foi acusada de abuso sexual por fazer sexo quase todos os dias, durante oito meses, com um estudante de 13 anos da escola onde trabalhava. Nisso a professora ficou grávida e sobreu aborto por causa da visita de um investigador de proteção a menores, questionando ela acerca da relação com o adolescente.

Alexandria, Professora do Texas vítima de heterofobia

Alexandria, Professora do Texas presa por heterofobia, sexofobia, moralismo barato e anticristão.

O que conservadores fizeram com o Texas? Uma mulher bonita de 24 anos sendo presa por fazer sexo consensual com um adolescente de 13 anos, quase diariamente, um sonho para a maioria dos homens. Como pode uma pessoa ser presa por fazer sexo consentido? Tinha que ser coisa de conservador moralista sexofóbico.

Onde está na Bíblia que relações sexuais consentidas entre homem e mulher devam ser criminalizadas? Na Bíblia, sequer há idade de consentimento. Isso mesmo, não existe idade de consemento da bíblia. Na Bíblia há muitas leis, mas nenhuma define uma idade de consentimento sexual. Por que será? Se nem Deus definiu idade de consentimento, como pode o homem querer definir idade de consentimento? E o que é pior, idades de consentimento altas, como as que existem nos EUA.

Conservadores cristãos americanos, católicos e protestantes, dizem admirar Israel, mas ignoram a tradição judaica que considera adulto os maiores de 12 (mulheres) e 13 anos (homens).

Conservadores americanos cristãos, protestantes e católicos  se dizem pró-vida, mas fazem com que relacionamentos sexuais consensuais sejam criminalizados, o que além de destruir famílias, leva ao aborto, como o dessa professora que teve um aborto por causa da pressão psicólogia que sofreu.

Essa mulher sofreu um aborto por causa dos conservadores. O conservadorismo é responsável por esse aborto. Mas, a cegueira moralista dos conservadores os fazem pior que os fariseus que condenaram Jesus.

Conservadores inventam leis sem a menor base biblica para criminalizar relacionamentos heterossexuais, destruindo famílias e gerando abortos. O moralismo mata e pessoas são presas injustamente.

Se não fosse por essas leis malditas que criminalizam relacionamentos consensuais, a criança teria o seu direito de nascer, a mulher o seu direito de mãe, e o rapaz o seu direito de ser pai.

Infelizmente, no Brasil também seria crime. O crime seria de “estupro de vulnerável“. Um rapaz de 13 anos, que faz sexo consentido com sua professora gata, sendo tratado como vítima de estupro de vulnerável. Além de ser uma ofensa a Deus por criminalizar o sexo consentido, é um enorme desrespeito às pessoas que são estupradas de verdade. Juristas sensatos quiseram mudar isso com a redução da idade de consentimento sexual no anteprojeto do novo código penal.

Para 99% dos homens de 13 anos, poder fazer sexo com uma bela mulher quase todo dia é um presente de Deus. Deus deu a Davi, o homem segundo o coração de Deus, várias mulheres. Salomão teve mil mulheres. Tem gente que precisa ler a Bíblia.

Fonte:extra.globo.com/noticias/mundo/professora-que-engravidou-de-estudante-de-13-anos-condenada-30-anos-de-prisao-20487968.html

Filha mata mãe com ajuda do namorado

Adolescente de 14 anos assassina a própria mãe com a ajuda do namorado de 16 anos. O motivo teria sido porque a mãe da menina, aluna do Colégio Adventista da Cohab, não apoiava o relacionamento dela com o rapaz, ambos menores de idade (vulgo “di menó“).

Namorados homicidas

Casal de adolescentes assassinos.  Leths Cutrim e Guii Botelho II (Fonte: Facebook).

Um crime bárbaro cometido na manhã de sábado (23/07/2016) chocou pela crueldade. Tatiana Albuquerque Cutrim Alves, de 49 anos, foi assassinada em sua residência no bairro do Parque Aurora, próximo ao Cohatrac, em São Luís, no Maranhão. A vítima assassinada foi encontrada com um armador de redes envolvido no pescoço. A mulher recebeu três golpes de faca, duas facadas no pescoço e outra facada no abdômen.

Mãe morta pela filha de catorze e seu namorado de dezesseis

Adolescente mata a própria mãe, que não concordava com seu relacionamento. amoroso. Postagem compartilhada, na rede social Facebook, por pessoas indignadas com o assassinato

De acordo com informações da polícia, a jovem adolescente de 14 anos agiu com a ajuda do namorado de 16 anos. Segundo o delegado da Delegacia de Homicídios, Estefânio Aragão, a razão do crime de homicídio teria sido porque a mãe adotiva da novinha não teria aprovado o relacionamento amoroso dela.

Tatiana Albuquerque Cutrim

Tatiana Albuquerque Cutrim Alves, assassinada pela filha adotiva de 14 anos.

O que fazer nessa situação?

O casal cometeu um crime bárbaro, um assassinato, crime hediondo, um homicídio qualificado, talvez um feminicídio pela relação de parentesco. Mas, por serem menores de 18 anos (a idade penal), eles não respondem diretamente por esse homicídio bárbaro, que à luz do ECA trata-se apenas de ato infracional, que pode levar os jovens a serem internados por alguns meses.

No ano passado, em 2015, foi aprovada em dois turnos, na câmara dos deputados, a redução da maioridade penal para 16 anos em casos de crimes hediondos, exceto tráfico de drogas. Mas, a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) não andou no Senado. Mesmo assim, ainda seria pouco, porque a assassina da própria mãe tem 14 anos, menos de 16 anos.

O fato do rapaz ter concordado em cometer um assassinato (matar a mãe da moça) já evidencia que a mãe tinha razão em proibir o relacionamento deles, mas talvez a mãe não esperava que a própria filha fosse pior que o namorado.

Casos de filhas aliciando namorado para matar os próprios pais infelizmente acontece e talvez o mais famoso deles no Brasil seja o caso da Suzane von Richthofen, que mandou matar os próprio pais Manfred Albert von RichthofenMarísia von Richthofen, casal assassinado pelos irmãos Daniel Cravinhos e Cristian Cravinhos a mando da filha.

Está escrito na Bíblia:

“Desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea. Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á a sua mulher, E serão os dois uma só carne; e assim já não serão dois, mas uma só carne”. Marcos 10:6-8

É fato que a sociedade moderna infantiliza adolescentes, tratando-os como crianças grandes, e tal tratamento causa grande irritação nesses jovens, mas isso não justifica tamanha crueldade com os próprios pais.

Marcela Temer: bela, recatada e do lar

Marcela Temer: bela, recatada e “do lar”. Esse foi o título da matéria da revista Veja[1], que indinou feministas (ou feminazis?), que não aceitam que uma mulher possa escolher ser bela, recatada e muito menos do lar. A revista contava a trajetória de vida da Marcela e exaltava suas qualidades como dona de casa.

Marcela Temer e Michel Temer

SÃO PAULO, SP, 20.03.2015: O vice-presidente, Michel Temer e sua esposa Marcela (Foto: Bruno Poletti/Folhapress)

A revista Veja destacou os 43 anos de diferença de idade de Marcela para o seu Marido Temer. Para quê? Para aumentar a sua audiência em cima do preconceito inter-etário? Claro que houve preconceituosos feministas associando a diferença de idade dos dois à pedofilia. Imagine antes do racismo se tornar crime grave, não seria de se espantar que a mídia se promovessem em cima do racismo, ao destacar, por exemplo, que a “loira” Xuxa se casou com o “negro” Pelé. Infelizmente, a mídia vive promovendo preconceitos. e o etarismo é apenas mais um desses preconceitos.

O preconceito inter-etário é uma forma de etarismo, idadismo, ageismo, preconceito etário, discriminação etária, discriminação generacional, onde o preconceito se baseia na diferença de idade entre duas pessoas que se relacionam. Laercio do BBB foi mais uma vítima desse preconceito. No Brasil, o etarismo, preconceito inter-etário e demais preconceitos etários, é vedado pela Constituição Federal de 1988: art. 3°, IV.

Michel Temer

Michel Miguel Elias Temer Lulia, político e advogado brasileiro, ex-presidente do Partido do Movimento Democrático Brasileiro, vice-presidente do Brasil.

Michel Temer é um idoso de 75 anos, que para os preconceituosos deveria estar no asilo largado, abandonado pelos filhos, e não sendo vice-presidente casado com uma mulher 43 anos mais nova. Mas, Temer está ativo, vivendo a vida que deseja ter e não acomodado e se sujeitando a preconceituosos. Esperamos, que caso ele venha a ser presidente, possa fazer um bom trabalho para essa nação explorada durante séculos.

Marcela Temer (Marcela Tedeschi Araújo Temer) conheceu Michel Temer (Michel Miguel Elias Temer Lulia) em 2002, numa convenção do PMDB, à qual compareceu para acompanhar o tio Geraldo, filiado ao partido e funcionário da prefeitura de Paulínia. Marcela se casou com Temer aos 20 anos de idade, em 26 de julho de 2003, numa cerimônia para apenas doze convidados.

Marcela Temer

Marcela Tedeschi Araújo Temer

Após terminar o Ensino Médio, antigo Segundo Grau, Marcela trabalhou como recepcionista no extinto jornal O Momento e, em 2002, aos dezenove anos, disputou o concurso e recebeu o título de Miss Paulínia, tornando-se. em seguida. vice-Miss São Paulo. Em 2009, Marcela graduou-se bacharel em Direito pela faculdade particular Fadisp, em São Paulo, e, em entrevista, afirmou que não prestou o exame da OAB (Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil) porque, na mesma época, nasceu o seu filho, Michel. Desde que se casou, Marcela não trabalhou mais, dedicando-se a cuidar do filho e do lar.

O artigo da revista Veja “Bela, recatada e ‘do lar’“, foi ironizado como sendo retrógrado e machista. Uma sucessão de memes com fotos de mulheres bebendo em bares, nuas ou fazendo gestos obscenos, acompanhadas da frase “bela, recatada e ‘do lar'” rolaram na Internet. Em um viés político, especulou-se que a intenção do artigo foi diferenciar a imagem da Marcela Temer da presidente Dilma Rousseff, que passava pelo processo de impeachment.

Marcela Temer tem todo o direito de ser bela, recatada e do lar, assim como outras mulheres têm o direito de serem do jeito que elas bem quiserem. Não entendo essas brigas. É tão difícil cada um cuidar da sua própria vida e deixar a vida dos outros para lá?

Marcela Temer

Marcela Temer, futura primeira-dama?

É um absurdo ver feministas, que se dizem defensoras da liberdade feminina, implicar com mulheres belas, recatadas, do lar, prostitutas, funkeiras, etc. Onde está a tal liberdade da mulher ser o que quiser? Como uma pessoa pode ser livre, se ela não pode ir contra a opinião de alguns? A liberdade está em poder desagradar pessoa ou grupo. Quem é obrigado a agradar, não é livre coisa nenhuma e está sob uma ditadura.

Também parem de comparar com a presidenta Dilma Rousseff (Dilma Vana Rousseff). Marcela e Dilma são duas mulheres diferentes, cada uma com suas próprias aspirações e não estão concorrendo a nada, porque uma é dona de casa e a outra a presidente do Brasil. Essas mulheres precisam ser respeitadas e não ofendidas com insinuações e comparações descabidas. A Direita desrespeita Dilma. A Esquerda, especialmente feministas, desrespeita Marcela.

[1]http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/bela-recatada-e-do-lar

Adolescente grávida quer morar com o padrasto

Jovem adolescente de 11 anos engravida do padrasto, diz que não houve estupro, que consentiu com as práticas sexuais e amorosas, que gosta dele e quer morar com ele.

Os encontros amorosos entre a garota de onze anos e o padrasto de quarenta anos, ocorriam no quarto da menina, antes do quarentão sair para trabalhar e com a mãe da moça na casa, em Rio Negro, disse o delegado Fábio Magalhães. A jovem está grávida de sete meses. O padrasto foi ouvido nesta quarta-feira (10/02/2016) na delegacia de Rio Negro. Conforme o delegado, o padrasto confirmou que mantinha relação sexual com a jovem mulher. “Ele confirmou que há muito tempo vinha mantendo relação sexual com ela”, afirmou Magalhães.

“O padrasto confirmou que há muito tempo vinha transando com a jovem” (Magalhães)

A adolescente foi chamada na delegacia e disse ter consentido os encontros amorosos. “Ela confirmou que consentiu, que ela gosta dele e queria morar com ele”, disse o delegado. Os encontros aconteciam ainda de madrugada, antes do padrasto ir trabalhar, no quarto dela. Eles moravam numa fazenda. O acusado de crime sexual morava com a mãe da menina há pouco mais de um ano, conforme afirmou o delegado. O padrasto e a jovem afilhada afirmaram que a mãe dela não sabia do relacionamento dos dois amantes. A mãe da adolescente só desconfiou na semana passada por causa do comportamento diferente da filha. Assim que tomou ciência do envolvimento da filha com o companheiro dela, expulsou o companheiro da casa e o denunciou. O homem suspeito de crime sexual está preso desde a última quinta-feira (04/02/2016) e foi indiciado por estupro de vulnerável. Apesar do consentimento da jovem ninfeta, o Código Penal define injustamente estupro de vulnerável: “Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 anos”. De acordo com o delegado, o acusado não tinha passagens pela polícia.

“A moça confirmou que consentiu as transas, que ela gosta do padrasto e que queria viver com ele” (Magalhães)

Informações do G1, MS.

Juíza Andréa Pachá critica e sensura G1 sobre caso de menina 11 anos e padrasto de 40

A juíza Andréa Pachá sensurou o G1 sobre relacionamento amoroso de menina de 11 anos com seu padrasto de 40.
O G1 apenas deu voz a suposta vítima, que afirmou ter consentido sexualmente e querer ficar com o seu amante.
Andréa Pachá se diz feminista, mas ignorou o desejo dessa jovem mulher de ficar com quem gosta e poder ter sua família. Diferentemente da Pachá, Simone de Beauvoir queria a abolição da idade de consentimento sexual.
Criança não faz criança. Criança é quem tem menos de 9 anos de idade, quem não atingiu a puberdade. Violência é, por coação estatal, tirar da garota o seu direito de ter uma família com o homem que ela gosta e assim poder criar o fruto desse amor.

A juíza Andréa Pachá está equivocada. Criança não faz criança. Criança é a garota com menos de 9 anos de idade, que não atingiu a puberdade. Quem verdadeiramente vitimou essa menina foi o Estado ao tirar da mulher o seu direito de ter uma família com o homem que ela gosta e assim poder criar o fruto desse amor. Não faz sentido falar de estupro quando há consentimento sexual. A garota se relacionava consessualmente com o homem. Devida à intervenção estatal, a jovem vai ser obrigada a ser mãe solteira de uma criança filha de pai presidiário. Sem a intervenção estatal, o casal estaria junto.

A repórter do G1, que foi sensurada pela magistrada Andréa Pachá, deu voz à garota, permitindo que a jovem exprimisse a sua vontade. Qual o problema disso? Receio da lei que criminaliza o sexo consentido seja questionada? Violência no uso perverso das palavras é ignorar a voz da vítima, tratar como estupro o sexo consensual. A jornalista do G1 teve a sensibilidade que a magistrada da área da família não teve, infelizmente. Jornalista é para noticiar fatos, não escrever notícias como bem quiser. Lamentavelmente, essa jornalista, ou repórter, foi injustiçada por ser profissional, por fazer o seu trabalho da forma correta.

A jovem mulher grávida quer ficar com o pai do seu filho. Por que a sua vontade não é ouvida? Os moralistas preferem obrigar essa garota a ser mãe solteira, a ter que criar o filho sozinha, a se sentir culpada pela prisão do pai do seu filho. O moralistas não estão nem aí para a criança que vai ser obrigada a nascer sem a presença do pai e sofrer com toda essa situação.
Nessa hora não aparecem defensores da mulher para apoiar a vontade da jovem de viver com o seu amor, nem defensores da criança e nem pró-vida para apoiar a criança no seu direito de ter seus pais. Muito menos defensores da família para apoiar essa família. Sim são uma família. Uma família vítima de vários preconceitos. Preconceito etário, preconceito por engravidar cedo, etc.

Outros casos de relacionamentos sexuais de jovens mulheres:

Justiça da Itália inocenta idoso de 60 anos por fazer sexo com menina de 11

Lola Benvenutti, uma mulher contra a hipocrisia, admite seu desejo por sexo aos 11 anos e ter escolhido um homem de 30 para tirar a sua virgindade

Mais um rapaz vítima da hipocrisia moralista, preso por assumir sua mulher e ter sido feito de bobo pelos pais da jovem: