Falsa acusação de estupro crime hediondo

Está no Senado uma iniciativa de lei popular, sugerida por Rafael Zucco, que torna crime hediondo e inafiançável a falsa acusação de estupro[1]. A proposa já obteve os 20 mil apoios necessários para ser encaminhado à CDH (Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa).

“Fiquei estarrecido certa vez que li em uma matéria que cerca de 80% das denúncias de estupro são falsas, os motivos são os mais variados, mas entre os principais estão a vingança da mulher contra o homem, alienação parental, conseguir mais bens no divórcio, ganhar guarda dos filhos, etc.” (Rafael Zucco)[1]

Segundo Rafael, devida a impunidade, muitas mulheres lançam mão da acusação falsa de estupro para prejudicar intencionamente homens, que por causa de uma falsa acusação têm a sua vida arrasada, é violentado na cadeia, pega AIDS, sofre linchamento público, perde o emprego, perde a dignidade e nada acontece com gente o acusou injustamente.

Rafael Zucco

Rafael Zucco, autor da iniciativa de lei popular que torna crime hediondo e inafiançável a falsa acusação de estupro.

Uma dúvida que me enviaram é se todas falsas acusações seriam hediondas… NÃO, apenas nos casos onde houver grave dolo a vítima, caso ela seja falsamente acusada e vá para a prisão, perca guarda dos filhos, seja espancado, estuprado ou morto e vier a ser provado a calúnia, nesses casos seria enquadrado na lei. (Rafael Zucco)[2]

Extra Online: Nas Varas de Familia, 80% das denuncias de estupro são falsas

Segunda notícia do Jornal Extra, nas Varas de Familia, 80% das denuncias de abuso sexual são falsas.

De acordo com o Jornal Extra[3], nas 13 Varas de Família da capital fluminense, 80% das denúncias de estupro são falsas, afirma a psicóloga do TJRJ Glícia Barbosa de Mattos Brazil, responsável por entrevistar famílias e crianças para tentar descobrir a verdade.

Na maioria dos casos, a mãe está recém-separada e denuncia o pai para restringir as visitas (Glícia).

A psicóloga especialista explica que a invenção de abuso sexual infantil muitas vezes é discreta. O denunciante vai convencendo a criança aos poucos de que a agressão sexual realmente aconteceu. Mas, com as técnicas adequadas, a mentira pode ser descoberta. O processo de entrevistas, no qual envolve de cinco a oito entrevistas, dura cerca de dois meses.

A realidade é parecida na Vara da Infância e Adolescência de São Gonçalo, onde o psicólogo Lindomar Darós, também do Conselho Regional de Psicologia (CRP), conta que cerca de 50% dos registros de abuso sexual são forjados.

“Quando a criança é muito pequena, tem dificuldade para diferenciar a fantasia da realidade. Se repetem que ela sofreu o abuso, aquilo acaba virando uma verdade para ela”(Lindomar Darós)

Essa “verdade” forjada provoca tantos danos psicológicos à vítima quanto um abuso sexual verdadeiro, afirmam os especialistas.

Duas jovens mulheres inventam sequestro e estupro

Duas jovens mulheres inventam ter sido sequestradas e estupradas. As mulheres não se conhecem, mas inventaram histórias parecidas. Delegada está indignada com a quantidade de falsas acusações de estupro.

Mulheres responderão por falsa comunicação de crimes de cárcere privado e estupro. Após investigação criminal, foi comprovado que as denúncias das mulheres foram inventadas. Delegada desabafou sobre casos de acusações mentirosas que fazem a polícia perder tempo e contou situações armadas e deboches de falsas vítimas. [4]

As jovens mulheres, de 21 anos e 14 anos, mobilizaram os investigadores da DEAM (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) por crimes de estupro e cárcere privado que não existiram. As duas mulheres reportaram terem sido sequestradas, mantidas em cárcere privado e sofrido violência sexual. Durante a investigação criminal, a equipe obteve imagens da conversa da jovem adolescente com o ex-namorado, onde ela debochava da ação policial em torno do caso que havia denunciado. Em entrevista coletiva, a delegada do caso lamentou o tempo desperdiçado por causa de falsas denúncias, que são comuns na Delegacia de Mulheres.

“A gente passa por isso todo dia, estes dois casos foram seguidos e eu achei um desaforo. As pessoas se preocuparam, se comoveram e se indignaram. Não é certo fazer as pessoas de palhaças desses jeito. A gente está lá para servir quem realmente foi vítima e não para este tipo de coisa”, desabafou a delegada Sheila Oliveira.

Sobre o caso da jovem de 21 anos:

“Ela contou que teria conhecido uma pessoa pelas redes sociais, marcado um encontro, levada à força para o apartamento dele, mantida prisioneira e só liberada dois dias depois, e que ele teria mantido várias vezes relações sexuais com ela à força. Foi comprovado que era mentira, ela foi porque quis, passou o final de semana porque quis e depois com medo da reação da família, inventou esta historia mirabolante que poderia ter levado este homem para a prisão se a verdade não fosse descoberta. Já concluí o inquérito e ela foi indiciada por denunciação caluniosa. É um crime contra a administração pública que prevê pena de reclusão de dois a oito anos de prisão” explicou a delegada.

Sobre o caso da jovem de 14 anos:

“Ela contou uma história muito bem elaborada para a idade dela. Cinematográfica. Os investigadores identificaram várias falhas no depoimento. A primeira versão, que teria sido levada para aquele cativeiro, era praticamente impossível de ter acontecido. Depois ela inventou outra história, sempre com pano de fundo de briga de gangues sendo ameaçada, mas a segunda versão também caiu por terra. Depois uma terceira versão, mentirosa, onde chegou a acusar um ex-namorado da mãe. Mesmo confrontada com a mentira, a adolescente ainda tentou inventar uma quarta história e, por fim, culpou o jovem, um ex-namorado, dizendo que tinha sido obrigada por ele a fazer aquilo. No entanto, ela foi porque quis para este encontro de cunho sexual com ele”, resumiu.

As mensagens enviadas do celular da adolescente para o namorado e a prima dela, onde os supostos “sequestradores” informavam o sequestro foram escritas pela própria jovem. E ao localizar o namorado, com quem ela passou aquelas horas, ele ainda apresentou outras mensagens enviadas pela mulher para ele em um aplicativo, onde debochava do trabalho policial.

“A pessoa que estava sendo acusada mostrou de livre e espontânea vontade prints das conversas que essa adolescente mandava ironizando, rindo do trabalho dos policiais, dizendo que passeou de viatura o dia inteiro, que foi o final de semana mais feliz da vida dela e que ‘olha o que ela precisou fazer para passar o fim de semana com ele’.
Foi uma reação totalmente fria, não derramou nenhuma lágrima e não demonstrou nenhum tipo de remorso e arrependimento por ter feito todo mundo de bobo, de ter enganado a família, a imprensa, os funcionários do Hospital de Pronto Socorro (HPS) que estavam tratando dela preocupados. Nem da mãe que estava desempregada, gastando dinheiro que não tinha para levá-la todos os dias para o HPS para ser medicada e para a delegacia para prestar diversos depoimentos. Sem contar os investigadores, que ficaram empenhados neste caso por duas semanas.”, relatou Sheila Oliveira.

A jovem vai responder pelo ato infracional análogo ao crime de denunciação caluniosa. De acordo com os investigadores, a adolescente em nenhum momento manifestou remorso. A mãe, que havia denunciado o sequestro, cárcere privado e abuso sexual à polícia, não sabia de nada e também foi surpreendida com a mentira da filha.

Diante dessa situação, a delegada disse que é crime denunciar um crime falso e que os casos descobertos serão devidamente indiciados. E lembrou que este tipo de comportamento atrapalha as mulheres que foram realmente vítimas de violência.

Adolescente de 14 anos encomenda morte do próprio pai para ter mais liberdade [5]. A violência de adolescentes para ter mais liberdade é comentado no artigo Garota mata mãe. É esperado que adolescentes queiram mais liberdade, autonomia e independência dos pais e queiram formar o próprio ninho. Esse desejo natural pode motivar violências de filhos contra pais. Claro que isso não é justificava. Mas não deixa de ser uma motivação. Como dito nesse artigo Moça de 12 anos foge com hippie, seria melhor fugir do que chegar ao ponto de cometer um crime bárbaro.

“Ela disse que inventou para traficantes da área que o pai a estuprou e por isso pediu para matarem ele. Eles (pai e filha) estavam brigando porque ele não queria deixar ela sair, nem namorar e ela queria ficar livre” afirmou a delegada Claudenice Mayo, titular da Delegacia para o Adolescente Infrator (DAI).

Outros casos:

Jovem espalha no bairro boatos de que havia sido estuprada para prejudicar marido da tia. [6]

Garota foi abusada sexualmente e pai acusa rapaz inocente porque teria tido um desentendimento com ele. [7]

Mulher faz sexo consexual com segurança de boate, mas o acusa de estupro.[8]

Mulher inventou à PM (Policia Militar) ter sido sequestrada e violentada por três homens para tentar esconder um relacionamento extraconjugal. [9]

Para chamar atenção do marido, dona de casa disse que foi estuprada por quatro homens. [10]

Adolescentes confessam inventaram a história de estupro de coletivo na tentativa de incriminar membros de uma gangue rival.[11]

Adolescente inveta que foi estuprada ao ser flagrada pela mãe matando aula. [12]

[1] Torna falsa acusação de estupro crime hediondo e inafiançável. -https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaoideia?id=64353

[2] AJUDE A TORNAR A FALSA ACUSAÇÃO DE ESTUPRO DOLOSA CRIME HEDIONDO E INAFIANÇÁVEL! -https://www.facebook.com/pagedozucco/posts/1461110433903888

[3] Nas Varas de Família da capital, falsas denúncias de abuso sexual podem chegar a 80% dos registros -https://extra.globo.com/noticias/rio/nas-varas-de-familia-da-capital-falsas-denuncias-de-abuso-sexual-podem-chegar-80-dos-registros-5035713.html

[4] Jovens mulheres responderão por falsa comunicação de crimes de cárcere privado e estupro -http://g1.globo.com/mg/zona-da-mata/noticia/jovem-e-adolescente-responderao-por-falsa-comunicacao-de-crimes-de-carcere-privado-e-estupro-em-juiz-de-fora.ghtml

[5] Adolescente de 14 anos é apreendida após encomendar morte do pai -http://atarde.uol.com.br/bahia/salvador/noticias/1860762-adolescente-de-14-anos-e-apreendida-apos-encomendar-morte-do-pai

[6] Garota espalha boato de estupro e marido da tia é torturado e morto em SP -http://noticias.r7.com/cidade-alerta/videos/garota-espalha-boato-de-estupro-e-marido-da-tia-e-torturado-e-morto-em-sp-09112015

[7] Homem preso injustamente luta por indenização após contrair HIV em estupro no presídio -http://noticias.r7.com/cidades/homem-preso-injustamente-luta-por-indenizacao-apos-contrair-hiv-em-estupro-no-presidio-10012014

[8] Justiça do DF absolve mulher que acusou segurança de estupro em festa -http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/justica-do-df-absolve-mulher-que-acusou-seguranca-de-estupro-em-festa.ghtml

[9] Após dizer que foi estuprada em Uberlândia, jovem admite que mentiu -http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulo-mineiro/noticia/2016/07/apos-dizer-que-foi-estuprada-em-uberlandia-jovem-admite-que-mentiu.html

[10] Era mentira: Mulher inventou estupro para chamar atenção do marido -https://acontecebotucatu.com.br/policia/era-mentira-mulher-inventou-estupro-para-chamar-atencao-do-marido/

[11] Garotas de 14 e 15 anos ‘inventaram’ estupro coletivo, diz polícia de MG -https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2016/06/27/garotas-de-14-e-15-anos-inventaram-estupro-coletivo-diz-policia-de-mg.htm

[12] Menina mente sobre estupro após mãe flagrar fora da escola, diz polícia -http://g1.globo.com/mato-grosso-do-sul/noticia/2016/06/menina-mente-sobre-estupro-apos-mae-flagrar-fora-da-escola-diz-policia.html

Menina de 12 anos foge com “cinquentão” hippie

A mesma notícia sendo abordada de forma diferente pelo portal R7 (r7.com) em duas reportagens (matérias jornalisticas), uma feita pelo RecordTV Minas e outra pelo Cidade Alerta.

Reportagem da RecordTV Minas: “Menina de 12 anos foge com ‘cinquentão’ e deixa carta dizendo que iria suicidar“[1]

Reportagem do Cidade Alerta: “Mãe salva filha de 12 anos das mãos de pedófilo“[2]

A RecordTV Minas foi preconceituosa ao destacar o “cinquentão” (preconceito etário).
Mas, apesar disso, abordou a notícia de forma melhor e mais isenta que o Cidade Alerta, que infelizmente, vive de sensacionalismo. Um programa sem credibilidade nenhuma por ser demasiadamente sensacionalista e que lucra em cima da violência e do medo das pessoas. Imaginem um programa desse na época em que negros e gays eram discriminados. Esses programas seriam cruelmente racistas e homofóbicos.

A reportagem do RecordTV Minas acertou ao chamar a mulher de 12 anos de adolescente. Sim, tanto legalmente, quanto biologicamente, uma menina de 12 anos é adolescente, não criança. Felizmente, não apelaram para o “criança de 12 anos” e nem para o “pedófilo“. Típicos termos que maus jornalistas se valem para fazer suas reportagens sensacionalistas, como as reportagens do Cidade Alerta. Criança é quem não atingiu a puberdade, em geral, menores de 9 anos de idade. Pedofilia é antes da puberdade.

O Cidade Alerta é o típico programa que transforma qualquer ladrão de galinha em perigosíssimo serial killer. É comum pessoas inocentes serem cruelmente prejudicadas por programas assim. É um programa que se aproveita do medo das pessoas para lucrar com audiência. Falta ética e profissionalismo nesse programa. Mas, nesse mundo capitalista ganhar dinheiro é o mais importante na mente de muitas pessoas.

A mãe não salvou a filha de pedófilo nenhum. Uma garota de 12 anos é velha para um pedófilo (pedofilia é antes dos 9 anos de idade) e a moça fugiu com o rapaz, ela não foi raptada pelo homem. Ela fugiu e estava querendo ser salva da própria mãe. A situação é tão séria que a jovem prometeu se suicidar (deixou uma carta dizendo que iria tirar a própria vida).

Se o jovem adolescente, seja homem ou mulher, não se entende com seus pais, é melhor que fuja de casa do que atente contra a própria vida ou chegue ao ponto de matar seus próprios pais, como nesse infeliz e drágico caso: Menina mata a mãe

Será que a jovem mulher é apaixonada pelo hippie e fugiu para viver esse amor? Ou o ambiente famíliar é muito hostil? Dizem que o homem tem mais de 50 anos (não parece tanto) e muita gente é preconceituosa. O problema de muitos pais é idealizar os próprios filhos e nessa idealização há muitos preconceitos embutidos e a vontade de realização dos pais nos filhos. Mas, os filhos não são continuação dos seus pais. São outras pessoas e é natural que discordem de seus pais.

No vídeo, a mãe diz: “Você poderia fazer qualquer coisa, mas fugir? Minha filha você sabe o que esse homem vai fazer com você? Ele vai te estuprar e depois te prostituir”. Diante do desespero da mãe a menina não demostrou nenhum sinal de arrependimento e ainda gritou com a mãe: “Tira suas mãos de mim.” A mãe pediu ajuda de pessoas no lugar para impedir o embarque da jovem mulher.

Vídeo: MÃE IMPEDE FUGA DA FILHA DE 12 ANOS COM HIPPIE:

Vídeo: Mãe consegue impedir que filha de 12 anos fugisse com hipster:

Aparentemente é mais um caso de filha que foge com amante por seus pais não aceitarem o seu relacionamento amoroso. Ela não é a primeira mulher a fugir e nem será a última. Esses casos não são raros. Por que será que jovens mulheres chegam ao ponto de fugir com seus amados?

Apesar da sociedade moderna infantilizar adolescentes, a adolescência faz parte da fase adulta. A infância termina por volta dos 9 anos de idade, com o início da puberdade (a puberdade feminina não começa com a menarca, mas sim anos antes e o primeiro sinal visível é o aparecimento do broto mamário).

Uma mulher de 12 anos de idade já está na fase de deixar seus pais e ir formar seu próprio ninho com o seu amante. Por isso, que elas sentem muita vontade de namorar e de enfretar a autoridade dos pais. Ela sente grande desejo de ser independente e fazer as suas próprias escolhas, como qualquer mulher adulta. E ela é adulta! A fase adulta da mulher começa com a puberdade. A puberdade começa por volta dos 9 anos de idade, não 18.

Com a puberdade, o sexo ganha importância na vida das pessoas (homens e mulheres). O jovem adulto passa a deixar os pais de lado e a querer resolver seus próprios problemas, a valorizar mais as amizades (seu relacionamento social) e a buscar possíveis parceiros sexuais e amorosos. Por isso, que há mulheres, em geral, maiores de 11 anos, que chegam a fugir com seus amados. Essas mulheres apenas estão seguindo o caminiho natural da vida. Não são vadias e nem vagabundas por isso, como infelizmente algumas pessoas falam. São mulheres de atitude, que vão atrás do que querem. E como toda experiência pode ser boa ou ruim. A jovem mulher pode viver um grande amor ou quebrar a cara, se decepcionar. Faz parte da vida.

[1]http://noticias.r7.com/minas-gerais/menina-de-12-anos-foge-com-cinquentao-e-deixa-carta-dizendo-que-iria-suicidar-24032017

[2]http://noticias.r7.com/cidade-alerta/videos/-mae-salva-filha-de-12-anos-das-maos-de-pedofilo-24032017

Kelly Key, Baba Baby e Amor

Baba“, também conhecida como “Baba Baby“, música de Kelly Key (Kelly de Almeida Afonso Freitas) do seu álbum Kelly Key de 2001, seu primeiro álbum homônimo, lançado em 17 de agosto pela Warner Music Brasil. Kelly mostrou para Andinho, um parceiro de composição, uma canção composta por ela aos 13 anos de idade, intitulada “Baba”, a qual tratava de um professor que havia a desprezado quando criança e passou a se interessar por ela já adolescente, ou seja, quando a criança cresceu e se tornou uma bela mulher. Apesar de inicialmente não achar que a canção seria boa o suficiente para o seu trabalho musical, ela e Andinho trabalharam na faixa de música, incorporando novos versos e criando um desfecho para incluí-la no álbum. A música acabou sendo o maior sucesso da artista e fez parte da campanha do Governo Federal pelo incentivo ao uso da camisinha, em 2002.

‘O papel de conselheira é o mesmo que Kelly interpretou quando contratada pelo Ministério da Saúde para fazer campanha pelo uso da camisinha, no Carnaval passado. Apesar de doar o cachê – cerca de R$ 50 mil – a uma instituição, a escolha do governo gerou polêmica. Quem a criticou disse que ela não tinha bagagem pedagógica para falar sobre o certo e o errado à juventude. Também foi qualificada como fútil e mulher-objeto. “Não sou a pessoa correta para dar conselho, porque já recebi muitos e não segui nenhum”, explica-se. “Mas nunca tive problemas com drogas e sempre usei camisinha. Tenho o perfil certo para falar com a juventude, porque vivi muito nova a minha vida.”’ (istoegente)[5]

Faixas do álbum de 2001: “Escondido“, “Só Quero Ficar“, “Bolada“, “Anjo“, “Baba“, “Brincar de Amor“, “Tudo Com Você“, “Quem é Você?“, “Viajar no Groove“, “Cachorrinho“, “Escondido” (remix). Foram gravadas em 2000 e 2001.

A canção “Baba”, Baba Baby, foi escrita originalmente quando ela tinha 13 anos, como um desabafo pessoal. Kelly Key, aos 7 anos de idade, era apaixonada pelo seu professor de educação física, que não queria nada com ela por ser muito nova. Mas, quando ela chegou à puberdade, e cresceu, ele passou a se interessar por ela. A mulher atraente de 12-13 anos, de corpo exuberante, já não era mais aquela criança de 7 anos, sem desenvolvimento puberal.

Kelly Key, além de ter um corpo maravilhosamente moldado pela puberdade, aos 12 anos, a mulher ainda malhava numa academia. O seu professor, que não se interessara pela menina de 7 anos, passou a desejar a mulher de 12-13 anos, que magoada pelo desprezo de outrora, passou a provocar e desprezar o tal professor, como vingança. Aos 13 anos, ela escreve a música “Baba” e conhece o seu novo amor, o cantor Latino (nome artístico de Roberto de Souza Rocha) e começou a namorá-lo. Latino logo engatou um relacionamento com a jovem mulher com quem casou aos 16 anos e teve uma filha. Ficaram juntos 5 anos (1997-2002). 

“Da infância tímida em Jacarepaguá, zona oeste do Rio, Kelly de Almeida Afonso não era sombra do que é, hoje: cantora desinibida, mulher polêmica. Esse perfil começou a ser traçado aos 13 anos, quando ela investiu numa história de amor com um homem dez anos mais velho, casado e com filhos na bagagem. Latino, nome artístico de Roberto Souza Rocha, um cantor de funk do subúrbio carioca de Maria da Graça, foi por cinco anos um misto de amante, marido e empresário de Kelly” (istoegente)[5]

Kelly Key com o seu namorado Latino

Kelly Key, aos 13 anos de idade, começou a namorar Latino de 23.

Trechos da canção “Baba”:

“Você não acreditou
Você nem me olhou / Você sequer notou
Disse que eu era muito nova pra você
Mas agora que cresci você quer me namorar”
“Não vou acreditar nesse falso amor
Que só quer me iludir me enganar isso é caô
E pra nao dizer que eu sou ruim
Vou deixar você me olhar
Só olhar, só olhar, baba
Baby, baba”
“Olha o que perdeu
Baba, criança cresceu
Bem feito pra você, é, agora eu sou mais eu
Isso é pra você aprender a nunca mais me esnobar
Baba baby, baby, baba, baba
Baby, baba”[1]

Muitas garotas se irritam com o fato de não despertarem interesse relevante do sexo maculino quando ainda não entraram na puberdade, ou estão no início dela, e depois, com o corpo desenvolvido, passarem a se preterida por muitos homens. Elas ficam chateadas com a realidade, porque acreditam que um homem deveria ter interesse por ela antes dela ter o corpo desenvolvido para ser amor de verdade. Afinal, no conceito cristão de ágape, quem ama, ama além do corpo. Mulheres querem ser amadas independentemente do corpo que tenham.

A puberdade feminina começa por volta dos 9 anos, é esperado que o erótico e o sexo ganhe importância em sua vida, que o corpo seja modelado e amadureça sexualmente. Logo, não se trata de sexualidade infantil, que por definição é impúbere, mas de sexualidade adulta, que é púbere. Nessa mudança corporal, muitas jovens mulheres se frustam ao ver como um corpo desenvolvido e bonito faz diferença na hora de arrumar um namorado, mas, por outro lado, também ficam envaidecidas diante do seu poder de sedução. O crush (gíria copiada dos EUA, que significa pessoa por quem se tem sentimento, desejo, paixão ou amor platônico), que antes a esnobava, pode começar a se deslumbrar e desejá-la.

[1]https://www.vagalume.com.br/kelly-key/baba.html

[2]https://pt.wikipedia.org/wiki/Kelly_Key_(álbum_de_2001)

[3]http://www.letras.com.br/curiosidades/kelly-key

[4]http://livrocaiunarede.blogspot.com.br/2006/03/baba-kelly-key.html

[5]http://www.terra.com.br/istoegente/199/reportagens/capa_kelly_key_01.htm

Adolescentes na Playboy

As mulheres mais jovens a posarem para a revista brasileira “Playboy” foram adolescentes. O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) define como adolescente a pessoa entre 12 e 18 anos de idade. A OMS (Organização Mundial de Saúde) classifica como adolescente o indivíduo entre 10 e 20 anos. Já biologicamente, a adolescência começa por volta dos 9 anos de idade, com o início da puberdade, e termina entorno dos 13-14 anos, com o fim da puberdade. Do ponto de vista biológico, a adolescência é a própria puberdade.

Algumas adolescentes, jovens mulheres menores de idade, já posaram nuas para a revista Playboy do grupo Abril de Roberto Civita. A publicação periódica de entretenimento contou com ensaios de belas novinhas, teens, como Verônica Rodrigues (14), Andréa Cardoso (14), Luciana Vendramini (16), Tania Tavares (16), Patricia Paixão (16) e Claudia Raia (17). Para aproveitar o mercado de ninfetas, chegou a lançar a publicação Ninfetas da Playboy e a anunciar a atriz Paloma Duarte como “Paloma Duarte – 18 anos com corpinho de 15”, em outdoors e cartazes..

A Playboy não era uma revista pornográfica, porque não havia práticas sexuais. A publicação de entretenimento masculino fazia apenas ensaios sensuais com mulheres peladas, ou seja, com a nudez feminina, como uma obra de arte, um trabalho de modelo fotográfica. Mulher de 14 anos chegando a comprar apartamento apenas por posar nua não é nada demais, não deixa de ser um grande negócio. A pesar de algumas mulheres menores de idade posarem nua na revista, as publicações da Playboy tinham sua venda proibida para menores de 18 anos, ou seja, pura hipocrisia. Mas, adolescentes sempre davam um jeito que obtê-las.

Adolescentes legais, como definidos pelo ECA, não são crianças. Criança é quem tem menos 9 anos, quem não atingiu a puberdade. A puberdade começa por volta dos 9 anos, não 18. Adolescentes são eróticos por natureza. Não é à toa que, historicamente, aos 12 anos, mulheres já estavam casando, como os índios fazem. Nos rapazes, o período de maior ocorrência da polução noturna é de 12 a 20 anos (ejaculação involuntária que ocorre durante o sono), devidas às altas taxas hormonais.

Posar para a Playboy, não há grande exposição e fama como ser artista, cantor, cantora, ator, atriz apresentador(a) de televisão, como a dupla Sandy e Júnior, de 4 e 5 anos, e a apresentadora Maísa Silva, de 6 anos. Se crianças podem ficar muito famosas e sofrerem com isso, já que a fama tem o seu preço. Uma mulher adolescente posar para a Plaboy, assim como ser modelo fotográfico, não seria nada demais, especialmente hoje em dia que mulheres se desnudam de graça na Internet e a nudez está mais naturalizada.

Não há nada de erotização precoce numa fase da vida onde se pode até engravidar. Quem erotiza é a própria puberdade e essa erotização é natural. Negar essa realidade é imoral, antinatural e anticristã. E movimentos que infantlizam adolescentes são satânicos, desonestos e antiéticos.

Aos puritanistas cristãos, digo, não se pode negar a sexualidade como forma de evitar a banalização do sexo. Negar a sexualidade é negar o próprio Deus. As pessoas entram na puberdade para se reproduzir, para fazer sexo mesmo, por isso que existe a atração sexual, que é uma atração adulta, não-infantil. A puberdade desenvolve as características sexuais secundárias (ou seja, adultas). A fase adulta começa com a puberdade por volta dos 9 anos e não 18 (maioridades civil e penal). Logo, é imoral negar a sensualidade e o erotismo da adolescência e infantilizar a sexualidade do jovem. A maioridade civil foi indevidamente usada para separar maiores de menores, infantilizando adolescentes. A verdadeira maioridade é a puberdade e esta realidade não pode ser negada.

As novinhas (ou seja, as jovens mulheres adolescentes) são inspiração de músicas, como Garota de Ipanema, da Bossa Nova, às populares canções do funk e sertanejo.

Verônica Rodrigues, 14 anos, Garota de Ipanema de 1989 e Capa da Playboy

A modelo Verônica Rodrigues foi Garota de Ipanema de 1989 e gata da capa da revista Playboy de Julho de 1989, aos 14 anos de idade. Ela começou a participar de concursos de beleza aos 13 anos, participou de 10 concursos e venceu todos, dentre eles, o concurso Garota de Ipanema. Ela participou do concurso Garota de Ipanema ainda com 13 anos e disputou com umas 60 candidatas. Completou 14 anos em janeiro de 1989, dias antes da final do concurso. A adolescente estudava normalmente e fazia ballet.

O seu principal incentivador foi seu pai, que a acompanhava. Já sua mãe não curtia muito o fato dela ser modelo. Era natural que todas as Garotas de Ipanema recebessem convite da Playboy. Veronica venceu o Concurso Garota de Ipanema de 89 e foi convidada para posar para a Playboy no mesmo ano. A final do concurso aconteceu em janeiro de 1989, dias após Verônica completar 14 anos. Em seguida, a revista entrou em contato. As fotos foram feitas em abril do mesmo ano. Ser Garota de Ipanema era o sonho de menina da Verônica.

A exigência da mãe da Verônica para poder permitir que a filha posasse nua para a revista, foi que as fotos fossem discretas. Sua mãe não curtia sua carreira de modelo fotográfico. Mas, seu pai, ao contrário, era um grande incentivador. Com o dinheiro recebido por ter posado nua, Verônica comprou um apartamento (seu primeiro imóvel).

“Sinto orgulho por fazer parte da história da Playboy, por ter conquistado um imóvel aos 14 anos com um trabalho honesto, por ter me destacado”
(Verônica Rodrigues, issuu.com/playbrinks, agosto/2014)

Verônica Rodrigues Entrevistada pela Playbrinks

Verônica Rodrigues conta sua história numa entrevista para a Playbrinks em agosto de 2014

Garota de Ipanema” foi uma canção composta por Tom Jobim e Vinícius de Moraes quando viram a jovem Helô Pinheiro (ainda Heloísa Eneida Menezes Paes Pinto) , aos 17 anos, andando distraída de biquíni pelas areias da Praia de Ipanema, em frente ao Bar Veloso (hoje Garota de Ipanema). A música foi baseada na “Menina que passa“. Por ter inspirado a canção, Helô Pinheiro é considerada a Eterna Garota de Ipanema.

“…Tão linda no espaço
Eu vi a menina
Que vinha num passo
Cheio de balanço
Caminho do mar”
(Menina que passa)

“Olha que coisa mais linda,

Mais cheia de graça
É ela menina
Que vem e que passa
Num doce balanço, a caminho do mar
Moça do corpo dourado
Do sol de Ipanema
O seu balançado é mais que um poema
É a coisa mais linda que eu já vi passar…”
(Garota de Ipanema, 1962)

Verônica Rodrigues (nasceu em janeiro de 1975) na capa da Playboy:

Verônica Rodrigues eleita Garota de Ipanema de 1989 e Capa da Playboy de julho de 1989

Verônica Rodrigues, 14 anos de idade, Garota de Ipanema de 1989 e Gata da Capa da Revista Playboy de julho de 1989.

“Fiz a revista com 14 anos. Meus pais autorizaram porque naquela época com o dinheiro do trabalho comprei meu primeiro imóvel. Hoje em dia as meninas saem praticamente de graça, se desvalorizam postando fotos praticamente peladas na internet.” (Verônica Rodrigues)[1].

Afirmações de Verônica Rodrigues no Instagram leitor.playboy

Comentários de Verônica Rodrigues sobre quando foi capa da revista Playboy no perfil leitor.playboy do Instagram.

Além da Verônica Rodrigues, Garota de Ipanema de 1989, não se pode deixar de citar outras belas mulheres menores de idade que fizeram muitos homens babar por sua sensualidade.

Andréa Cardoso (Andréa Ormeneze Cardo) nasceu 31/12/1975: Por tanto, tinha 14 anos na Playboy de setembro de 1990 (capa Mônica Fraga) e 15 na Ninfetas da Playboy de abril de 1991 (sendo capa).

Playboy de setembro de 1990 com Mônica Fraga e Andréa Cardoso

Playboy de setembro de 1990 com Mônica Fraga (capa da revista) e a Ninfeta do Fantastico Andréa Cardoso

Aos 14 anos de idade, Andréa Cardoso posou nua para a Playboy de setembro de 1990, mas Mônica Fraga foi a capa. Já aos 15 anos de idade, Andréa foi capa da Ninfetas da Playboy de abril de 1991.

As Ninfetas da Playboy abril 1991 Andréa Cardoso capa da Playboy

As Ninfetas da Playboy 189 de abril de 1991 com Andréa Cardoso (capa da revista)

Luciana Vendramini, quase paquita do Xou da Xuxa e Capa da Playboy

Muitos pensam que Luciana Vendramini foi paquita do Xou da Xuxa por causa da sua foto vestida de paquita, mas ela, apesar de muito bonita, não foi selecionada para o grupo da primeira geração de paquitas. A ninfeta se dizia virgem quando posou nua para a Playboy

Luciana Regina Vendramini

Luciana Regina Vendramini (Jaú, 10 de dezembro de 1970). Estreou na televisão como candidata a paquita do Xou da Xuxa (primeira geração) na TV Globo, em 1986, mas perdeu para Ana Paula Guimarães (a primeira Catuxa do grupo paquitas). Foi Garota do Fantástico e posou para um ensaio da revista Playboy em 1987 (capa de dezembro).

Claudia Raia (Maria Cláudia Motta Raia de Mello, nascimento: 23 de dezembro de 1966), posou com 17 anos quando foi capa de 03/1984.
A atriz global Claudia Raia ainda era conhecida como “Maria Cláudia” quando posou nua para a revista pela primeira vez em 03/1984.

Maria Cláudia Capa da Playboy de Marco de 1984

Cláudia Raia, aos 17 anos de idade, foi capa da revista Playboy pela primeira vez. A atriz da Globo ainda se chamava “Maria Cláudia” quando posou nua.

A pesquisa parou por aqui. Encontrar essas mulheres deu trabalho e foi suficiente para elaboração desse artigo. Provavelmente as mulheres mais novas a posar para a revista Playboy tinham 14 anos, como as meninas citadas. Ganharam bastante dinheiro com a sensualidade que Deus lhes deu. As publicações são legais porque os pais permitiram que suas filhas posassem nuas na época.
Não faz sentido em haver polêmica com a nudez de uma jovem mulher, adolescente, novinha ou teen, como queira se referir. A puberdade começa aos 9 anos, não 18. E a idade da razão é aos 7 anos. Não deveria haver qualquer discriminação na sexualidade, já que ela é natural

Links acessados em 20/02/2016

[1]https://www.instagram.com/p/BAH85aEJZlE/

[2]https://www.instagram.com/p/qHgn6tCESQvhOIom50vLw0BQI7Fw1zoZSYpdI0/

[3]issuu.com/playbrinks

[4]femeasvip.blogspot.com.br/2011/07/andrea-cardoso.html

[5]https://noticias.uol.com.br/politica/politicos-brasil/2006/deputado-estadual/31121975-andrea-cardoso.jhtm

Professora é presa por fazer sexo com aluno de 13 anos no Texas

Professora de 24 anos é presa por fazer sexo consentido com um aluno de 13 anos no Texas, Estados Unidos. Ela foi acusada de abuso sexual por fazer sexo quase todos os dias, durante oito meses, com um estudante de 13 anos da escola onde trabalhava. Nisso a professora ficou grávida e sobreu aborto por causa da visita de um investigador de proteção a menores, questionando ela acerca da relação com o adolescente.

Alexandria, Professora do Texas vítima de heterofobia

Alexandria, Professora do Texas presa por heterofobia, sexofobia, moralismo barato e anticristão.

O que conservadores fizeram com o Texas? Uma mulher bonita de 24 anos sendo presa por fazer sexo consensual com um adolescente de 13 anos, quase diariamente, um sonho para a maioria dos homens. Como pode uma pessoa ser presa por fazer sexo consentido? Tinha que ser coisa de conservador moralista sexofóbico.

Onde está na Bíblia que relações sexuais consentidas entre homem e mulher devam ser criminalizadas? Na Bíblia, sequer há idade de consentimento. Isso mesmo, não existe idade de consemento da bíblia. Na Bíblia há muitas leis, mas nenhuma define uma idade de consentimento sexual. Por que será? Se nem Deus definiu idade de consentimento, como pode o homem querer definir idade de consentimento? E o que é pior, idades de consentimento altas, como as que existem nos EUA.

Conservadores cristãos americanos, católicos e protestantes, dizem admirar Israel, mas ignoram a tradição judaica que considera adulto os maiores de 12 (mulheres) e 13 anos (homens).

Conservadores americanos cristãos, protestantes e católicos  se dizem pró-vida, mas fazem com que relacionamentos sexuais consensuais sejam criminalizados, o que além de destruir famílias, leva ao aborto, como o dessa professora que teve um aborto por causa da pressão psicólogia que sofreu.

Essa mulher sofreu um aborto por causa dos conservadores. O conservadorismo é responsável por esse aborto. Mas, a cegueira moralista dos conservadores os fazem pior que os fariseus que condenaram Jesus.

Conservadores inventam leis sem a menor base biblica para criminalizar relacionamentos heterossexuais, destruindo famílias e gerando abortos. O moralismo mata e pessoas são presas injustamente.

Se não fosse por essas leis malditas que criminalizam relacionamentos consensuais, a criança teria o seu direito de nascer, a mulher o seu direito de mãe, e o rapaz o seu direito de ser pai.

Infelizmente, no Brasil também seria crime. O crime seria de “estupro de vulnerável“. Um rapaz de 13 anos, que faz sexo consentido com sua professora gata, sendo tratado como vítima de estupro de vulnerável. Além de ser uma ofensa a Deus por criminalizar o sexo consentido, é um enorme desrespeito às pessoas que são estupradas de verdade. Juristas sensatos quiseram mudar isso com a redução da idade de consentimento sexual no anteprojeto do novo código penal.

Para 99% dos homens de 13 anos, poder fazer sexo com uma bela mulher quase todo dia é um presente de Deus. Deus deu a Davi, o homem segundo o coração de Deus, várias mulheres. Salomão teve mil mulheres. Tem gente que precisa ler a Bíblia.

Fonte:extra.globo.com/noticias/mundo/professora-que-engravidou-de-estudante-de-13-anos-condenada-30-anos-de-prisao-20487968.html

Dudu Camargo é vítima de preconceito etário pelo Estadão

O jovem apresentador Dudu Camargo (Eduardo Camargo) jornal Primeiro Impacto, do SBT, foi vítima de preconceito etário por parte do jornal Estadão.

O Estadão fez uma péssima matéria com o título sensacionalista “Apresentador do SBT está ‘de olho’ em Maisa Silva e Larissa Manoela“.

Dudu Camargo não disse que estava “de olho” nessas duas mulheres, mas sim que acha Maísa Silva linda e talentosa e que ela e a Larissa Manoela fazem o seu tipo. Apenas isso! Entrevista dada ao programa TV Fama, da RedeTV.

Quem colocou as colegas de SBT do rapaz numa posição desconfortável foi o próprio Estadão ao forçar uma polêmica. Quem escreveu a matéria está com inveja de um rapaz de apenas 18 anos por estar apresentando um jornal? O SBT é do Silvio Santos e ele coloca quem ele quiser para apresentar os seus jornais.

Maísa não é nenhuma moça adolescente de 10 anos entrando na puberdade, muito menos uma criança de 6, quando chegou ao SBT. Ela é uma jovem mulher de 14 anos e, graças a Deus, por lei, ela pode fazer sexo, e muito sexo, até com o Silvio Santos! O problema é sexo, moralistas do Estadão? Vocês exploram o moralismo e o preconceito etário para prejudicar uma pessoa, um rapaz de 18 anos. Isso sim é muito antiético!

É totalmente saudável e esperado que homens se sintam atraídos por mulheres de 14 anos. A mulher entra na puberdade por volta dos 9 anos de idade, início da sua adolescência. A menarca vem, em média, aos 12 anos. Aos 12 anos a mulher está ovulando. Isso quer dizer que o seu corpo passa se preparar todo mês para uma gravidez. E para que uma gravidez possa ser possível, é preciso que a mulher atraia homens, tenham eles 12 anos ou 85 anos, como o grande Silvio Santos.

É óbvio que não é porque a mulher esteja na idade de gerar a prole, que ela vá logo fazer sexo. Isso depende de cada mulher. Umas já querem logo se deleitar no ato sexual, enquanto outras buscam adiar esse dia, como a Larissa Manoela, que disse querer casar virgem.

O Estadão ainda afirma que o rapaz gerou uma discursão ética. Como assim? Por dizer que certas mulheres fazem o seu tipo? Quem não teve ética foi o jornal Estadão por forçar polêmica por meio do preconceito etário e do moralismo para prejudicar um jovem iniciante apresentador de telejornal.

Infelizmente, o preconceito etário não é devidamente observado como o racismo. Programas e jornais abusam do preconceito etário nas suas abordagens sensacionalistas.

Dudu Camargo é um rapaz de 18 anos que ficou conhecido por assumir a apresentação do telejornal Primeiro Impacto, do SBT, em outubro. O moço é a pessoa mais jovem a apresentar um telejornal. E isso deixou muita gente incomodada! Preconceituosos que o acham jovem demais e invejosos que queriam estar no lugar dele.

É lamentável que pessoas de má índole se utilizem de um jornal de grande circulação, como o Estadão, para ficar forçando polêmicas para prejudicar o rapaz.

No Brasil, o etarismo ou preconceito inter-etário é vedado pela Constituição Federal de 1988: art. 3°, IV.

Fonte:http://vida-estilo.estadao.com.br/blogs/emenos/apresentador-do-sbt-esta-de-olho-em-maisa-silva-e-larissa-manoela/

Marcelo Freixo é homem de coragem!

Marcelo Freixo é homem de coragem! É homem corajoso, porque para defender direitos humanos é preciso haver coragem. Levantar-se contra milicias é preciso ter coragem. Acreditar no ser humano é preciso ter coragem. Isso é ser cristão. Não foi isso que Jesus fez?

É muito fácil aderir ao discurso raso do “bandido bom é bandido morto” com uma população amedrontada pela criminalidade, aterrorizada pela alienante mídia sensacionalista que transforma qualquer ladrão de galinha no pior dos assassinos em série. A mídia lucra com a cultura da violência e do medo. A mídia irresponsavelmente promove a violência, a barbárie, os “justiceiros”.

É lamentável ver pessoas ditas cristãs hostilizar Marcelo Freixo por defender bandidos, ou melhor, por defender os direitos humanos, a dignidade humana. Mas, quem foi o maior defensor de bandidos senão o próprio Jesus Cristo, de acordo com o cristianismo? A função dos direitos humanos, como instituto, é proteger o ser humano da opressão dos agentes do Estado. Combater o abuso de autoridade, como os excessos praticados por policiais e garantir os direitos e a dignidade da pessoa sob o poder estatal.

A bancada evangélica se diz contra o aborto e defensora da família, mas barrou a redução da idade de consentimento para 12 anos, deixando jovens mulheres grávidas em apuros e suas famílias destruídas. Quem defende a família, deve defender todas as famílias, inclusive a da mulher de 12 anos. Sexo consentido não pode ser tratado como estupro de vulnerável. Na Bíblia, sequer existe idade de consentimento.

Sou a favor da redução da maioridade penal, e não apenas para 16, mas para 10, pelo menos. E o ECA punir não apenas os maiores de 12 anos, mas sim os maiores de 7, idade da razão. Pois acredito que adolescentes têm plena consciência dos seus atos e devem ser responsabilizados. Mesmo com esse posicionamento, sou contra a vingança e justiceiros. Apoio a ressocialização, a segunda chance e a anistia (o perdão de crimes).

Não foi isso que fez o próprio Jesus Cristo? Ser adúltera dava pena de morte em Israel, autoridades judaicas estavam lá para apedrejar aquela mulher. E o que Jesus fez? Intercedeu por ela e a sua intervenção fez aquela adúltera ter uma segunda chance. Ela foi anistiada. O que fariam os conservadores “cristãos”? “Tem que morrer mesmo!”.

Segundo a Teologia Cristã, a crucificação de Jesus não foi para perdoar os pecadores, ou seja, anistiar os criminosos perante Deus? Jesus não apenas defendeu criminosos, como morreu por eles. Deu a sua própria vida para que criminosos (pecadores) tivessem uma nova chance. E o que Jesus ensinou aos seus discípulos?

“Então Pedro, aproximando-se dele, disse: Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu lhe perdoarei? Até sete? Jesus lhe disse: Não te digo que até sete; mas, até setenta vezes sete.” Mateus 18:21,22

Muitos defensores do bordão “bandido bom é bandido morto“, buscam, no Antigo Testamento, o amparo para as suas posições radicais, como as rígidas leis israelitas e a clássica lei de talião (ou lei de retaliação, presente no Código de Hamurábi) do “olho por olho, dente por dente“. Cuja intenção não é a de promover a vingança, mas sim de freiá-la! Isso mesmo, de frear a vingança. Pois, na analogia, quem perdia o dente queria deixar o seu agressor banguelo. Com a lei do talião, só poderia descontar o dente perdido. Dando assim, uma proporcionalidade à vingança.

Mas, o que Jesus Cristo pensava sobre isso?

“Ouvistes que foi dito: Olho por olho, e dente por dente. Eu, porém, vos digo que não resistais ao mau; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra; E, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa; E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas. Dá a quem te pedir, e não te desvies daquele que quiser que lhe emprestes. Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus; Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos. Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo? E, se saudardes unicamente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os publicanos também assim? Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus.” Mateus 5:38-48

Não dá para conciliar o vingancismo com o Evangelho, com os ensinamentos e o comportamento de Jesus. Ele cobra dos seus seguidores nada menos que o perfeito amor. Ódio não tem lugar num coração verdadeiramente cristão. Ódio só gera mais mais ódio, violência só gera mais violência. Quem sente prazer em acusar e condenar é o Diabo (que não coincidentemente significa “acusador” e “caluniador”).

Marcelo Freixo não é perfeito. E talvez por ingenuamente apoie o feminismo, um movimento de ódio contra o sexo masculino, que banaliza o estupro e promove divisões na sociedade, com a desculpa de defender a igualdade entre gêneros. Na teoria, o feminismo se define como movimento igualitário, mas na prática não é bem isso que acontece. A Lei Feminicídio é desigualdade. A Lei Maria da Penha ignora que homens também são vítimas de violência doméstica. Sem contar os “textões” que colocam nos homens a culpa por todas as frustrações femininas.

Esse é um problema não apenas do Freixo, mas de muitos defensores de direitos humanos, que ficam cegos diante do feminismo, como no caso do suposto estupro coletivo da garota por 30 homens. Ao que tudo indica, não houve estupro, mas suruba, não com trinta, mas com cerca de oito homens negros periféricos durante dois dias. Ninguém que é violentamente estuprada volta ao local para reclamar do celular sumido.

divulgação do vídeo deixou a garota irada e, por azar, ela foi cair nas mãos de uma advogada feminista radical (aquela que teve sua candidatura impugnada pelo PSOL e que faz parte de um movimento que considera toda relação hétero como estupro). A adolescente precisava de um conselheiro do bem e não de alguém que alimentasse sua fúria.

Os homens, que não eram 30, mas uns 8, foram condenados por estupro antes mesmo da conclusão de qualquer investigação. O delegado viu contradição no depoimento da jovem, as duas perícias realizadas (na mulher e na foto) inocentaram os acusados. Mas, feministas e a mídia já haviam condenado os caras da periferia. Afastaram o delegado, e colocaram no lugar uma delegada reaça que prendeu até um rapaz que não participou de nada, no estilo “prende e depois, quem sabe, vê se é inocente”. Uma postura policial tão criticada pela esquerda e por defensores dos direitos humanos, acaba sendo legitimada por feministas.

Marcelo Freixo tem defeitos, eu também os tenho, todo mundo tem. Não devemos cultivar o ódio, seja mascarado de defensa de valores, como os conservadores, ou de defesa das mulheres, como as feministas. Ódio é ódio, e é mau em si mesmo. E não pode haver lugar para o ódio no coração do cristão ou de qualquer pessoa civilizada.

Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus;” Mateus 5:9

Marcelo Ribeiro Freixo

Marcelo Ribeiro Freixo, professor e político brasileiro filiado ao PSOL (Partido Socialismo e Liberdade).
Deputado estadual pelo Rio de Janeiro e candidato a prefeito em 2016.