Mônica, ONU e Violência Contra Homens

A ONU escolheu a Mônica, do desenhista Maurício de Souza, para ser exemplo de empoderamento feminino. Isso mesmo empoderamento feminino. Que empoderamento é esse baseado na violência? É sabido que, em suas histórias, a Mõnica sempre reage com violência física quando se sente contrariada pelos meninos. É esse tipo de “empoderamento” que a ONU defende?

A ONU defende que meninas batam nos meninos

No dia 8 de março de 2016, com o Projeto Donas da Rua, a Mauricio de Sousa Produções (MSP) se tornou signatária dos Princípios de Empoderamento das Mulheres da ONU Mulheres.

A Mônica mete “o cacete”, agride os meninos de forma violenta, quando se sente contrariada. Como uma ONG, que faz campanha contra a violência contra mulheres, pode usar justamente uma personagem que pratica violência contra homens como exemplo de empoderamento feminino? A ONU luta contra a violência ou apenas contra a violência contra mulheres? E mais a ONU apoia a violência contra homens e ver essa violência como empoderamento feminino?

Violência física pura e virou exemplo de empoderamento feminismo da ONU Mulheres. Imaginem se fosse o contrário. As revistas seriam no mínimo banidas e mostradas como exemplo de sociedade patriarcal e machista.

História da Mônica:

Era o ano de 1963 quando a primeira personagem feminina criada pelo desenhista Mauricio de Sousa (nascido em 27 de outubro de 1935) apareceu em várias tirinhas. Inspirada em sua filha, Mônica Sousa, na época com três anos de idade, a personagem estreou em uma tirinha do Cebolinha, publicada no jornal Folha da Manhã (atual Folha de São Paulo). Logo, em sua estreia nos quadrinhos, a personagem Mônica pratica violência física contra o Cebolinha.

Mônica bate no Cebolinha

Na estreia de sua personagem, Mônica agride fisicamente o Cebolinha. É lamentável que a ONU Mulheres divulgue um quadrinho de violência física contra meninos e ainda apoie isso como empoderamento feminino: “Ela estreou na tirinha do Cebolinha e mostrou de cara a força das meninas”.

Mauricio de Sousa nunca teve problemas com a justiça por incentivar a prática de violência física contra meninos e as revistas da Turma da Mônica sempre foram normalmente vendidas. Por que a ONU não se importa com meninos? Por que a ONU ainda usa uma personagem que violenta meninos como exemplo de força feminina ou empoderamento feminino? A ONU está infectada por feministas misândricas?

Imaginem se fosse o contrário. Se o Cebolinha, ou o Cascão, batesse na Mônica, na Magali e noutras personagens femininas toda vez que se sentisse contrariado por elas? A ONU usaria como exemplo de força masculina ou empoderamento masculino? Claro que não. A ONU iria condenar a violência e pedir a proibição da venda das revistas. Feministas iriam usar o caso como exemplo de machismo e do patriarcalismo na sociedade.

Uma revista, onde regularmente  o Cebolinha, ou o Cascão, agredisse fisicamente Mônica, Magali e outras personagens do sexo feminino, teria o repúdio da ONU Mulheres e o enredo seria tratado como apologia e incitação à violência contra mulheres. Mas, como a violência é contra homens, ninguém liga. E a ONU ainda vê nisso exemplo de empoderamento feminino e força feminina.

E não é só a ONU Mulheres que pisou na bola ao escolher a Mônica como representante das meninas e exemplo de empoderamento feminino para as crianças. A personagem Mônica é embaixadora da Unicef (Fundo das Nações Unidas pela Infância) desde 2007. Isso mesmo. Desde 2007, Mônica é embaixadora do Unicef. Inacreditável, né?

Mônica espancando o Cebolinha

Mônica agredindo física e violentamente o Cebolinha (quadrinho mais recente).

É lamentável que a ONU, pela importância que tem no mundo, escolha uma personagem agressiva, violenta, descontrolada, que bate nos meninos por qualquer coisa. A mesma ONU que apoia a Lei Menino Bernardo, que proíbe até palmadas dos pais nos filhos, escolhe a personagem violenta para ser embaixadora da Unicef e exemplo de empoderamento feminino para meninas. Dá para entender?

A ONU Mulheres se diz fundamentada na visão de igualdade consagrada na Carta das Nações Unidas, a instituição trabalha pela eliminação da discriminação contra mulheres e meninas e a favor da igualdade de gêneros no que diz respeito ao desenvolvimento, direitos humanos, ação humanitária, paz e segurança. Cadê a igualdade, paz e segurança onde meninas são incentivas a serem violentas com os meninos?

Anúncios