A Pedofilia Que É Acobertada

Destacado

A Pedofilia Que É Acobertada

Apesar de “Pedofilia” se referir a atração sexual primária por pré-púberes (quem ainda não alcançou a puberdade), a mídia ignora isso e passa a incluir também adolescentes (púberes e pós-púberes) como vítimas de “pedofilia”. Pode parecer aos mais ingênuos que tal erro seria com a “boa intenção” de proteger adolescentes. Será que uma mídia, que não anda nem se preocupando com crianças de fato, vai se preocupar com adolescentes? A mídia vive de audiência, e a ela não costuma pensar duas vezes antes de polemizar qualquer tema para aumentar os seus lucros, além também dos seus interesses particulares (políticos, ideológicos etc.) por trás do que noticia.

O que vemos por ai é um verdadeiro bombardeio contra instituições religiosas, contra a instituição família e contra o homem em si, que nada mais é que a pessoa designada por Deus para ser “o cabeça” de sua família. Em qualquer organização de pessoas, quem é o mais visado pelos inimigos se não “o cabeça”? Você consegue entender por que há tanta propaganda negativa contra o homem hétero oficialmente adulto? Veja esta queixa:

Desconfiança continua em relação aos pais

O homem adolescente costuma ser poupado desses embates, e não é por bondade. Há interesses obscuros por trás disso, basicamente por dois motivos:

  1. Os adolescentes incham (juntamente com as adolescentes) as estatísticas de vitimas de “pedofilia“: Você colocar “adolescentes” como vítimas de pedofilia, aumentam as estatísticas de notificação em dezenas de vezes; Em contrapartida, há uma tendência de subestimar o número de adolescentes abusadores, uma vez que essa abordagem coloca crianças e adolescentes num mesmo nível. Algo similar acontece com as expressões “de menor“, “menor de idade” etc. Que acabam contribuindo culturalmente para quem não é considerado oficialmente “adulto” ser tratado como mera “criança”.
  2. Os adolescentes ficam livres e culturalmente motivados para fazerem sexo com crianças (uma vez que você acredite que o adolescente seja uma criança também; o contato sexual, do adolescente com a criança de fato, acaba sendo menosprezado; mesmo o adolescente tendo pênis adulto e podendo fazer filhos como qualquer adulto, na sua mente vai aparecer algo do tipo: “ele só tem 14 anos! É apenas um menino!”).

Não precisa ser um gênio para ver que quando se colocam “adolescentes” como vítimas de “pedofilia” ao usar, por exemplo, a maioridade civil como referência (a referência correta é a puberdade), as estatísticas aumentam dezenas vezes, ajudando a baralhar a realidade dos abusos sexuais cometidos contra crianças de fato. Incham as estatistas e o foco deixa de ser a criança; ao mesmo tempo em que passam uma imagem infantilizada do adolescente.

Quem falou para vocês que adolescentes são crianças? Foi Deus? O Deus da Bíblia que encarregou vários adolescentes com missões típicas de “adultos”? Para quem não sabe, no contexto Bíblico, adolescentes eram considerados adultos, assim como em praticamente toda a humanidade, seja formalmente ou informalmente (facilmente perceptível em regiões interioranas e suburbanas do nosso Brasil). A grande passagem que temos do mundo “infantil” para o mundo “adulto” se chama “puberdade“. E no adolescente há uma rejeição do estado de dependência, que é característica da infância, e um forte ímpeto por interações sociais. Não é à toa que o adolescente quer trabalhar, não tolera ser controlado pelos pais e busca participar de eventos sociais.

Com o título “A Pedofilia Que É Acobertada” venho abordar algo trágico, que faz parte da nossa realidade diária: Adolescentes que abusam sexualmente de crianças. Muitos adolescentes, para satisfazer seus desejos sexuais, acabam se aproveitando de crianças. Esses adolescentes não necessariamente sentem desejos sexuais por crianças, porém eles projetam, nas crianças, o seu alvo de desejo; e buscam fazer, com essas crianças, aquilo que desejam fazer com seu alvo. O adolescente abusador não se contenta com a automasturbação e nem se preocupa com o que possa estar fazendo de mal para com o outro (a criança), ele simplesmente deixa imperar o seu lado egoísta e sem caráter.

Você já parou para pensar que os maiores abusadores de crianças possam ser adolescentes? Infelizmente, a mídia só sabe focar no adulto e o adolescente abusador acaba sendo menosprezado. Eu afirmo: os maiores abusadores de crianças são adolescentes e não adultos. Duvida? Comece a investigar os casos de sexo na infância. Você provavelmente verá que os grandes aliciadores e abusadores são adolescentes.

Há uma “Sodoma” onde adolescentes abusam sexualmente de crianças. E a prática mais perversa é o garoto adolescente sodomizar meninos de menos de dez anos de idade (Leia também: Garotos Sodomitas). Tal prática costuma ser muito bem acobertada, onde o adolescente abusador promove um pacto de silêncio (se aproveitando da confiança da criança ou mesmo por ameaças), enquanto a criança constrangida pela sodomização, fica envergonhada e acaba aderindo ao pacto de silêncio proposto pelo seu abusador.

Quando o adolescente sodomiza a criança, ele está estimulando uma região cheia de terminações nervosas e altamente ligada ao sistema sexual da criança, o que fará consequentemente a criança sentir prazer com isso. Com a primeira sodomização feita, o adolescente sodomita não vai se contentar e vai aproveitar todas as oportunidades em que conseguir isolar a criança para continuar sodomizando-a. O adolescente sodomita faz da criança sua “mulherzinha“, como no ditado “quem não tem cão, caça com gato“.

Um homem sodomizado na sua infância, sendo socialmente hétero, tem vergonha disso e prefere manter o máximo sigilo (afinal, se expor para quê, apenas para ficar com fama de “viado”? – Receio este que já aparece na infância e colabora ainda mais para o pacto de silêncio proposto pelo adolescente sodomita). Já quem é homossexual assumido não se sente abusado e prefere evitar expor publicamente que teve relações sexuais na sua infância (sexo na infância não é bem visto pela sociedade). E assim nós temos uma cultura que acoberta esses abusos sexuais na infância, ainda mais reforçada com a influência da mídia de tratar adolescentes como “crianças”, passando assim uma imagem infantilizada dos adolescentes. 

O que você acha que acontece com a cabeça de uma criança que é sodomizada? Provavelmente ela terá prazer e absorverá tal prática na sua sexualidade. Dependendo de como são essas práticas sexuais (mais ou menos “amorosas” com beijos, carícias etc.) e do ambiente que cerca a criança, ela poderá aceitar essa “sexualidade” (como no caso dos homossexuais, transexuais, bissexuais, etc) ou viver num eterno dilema onde ela não quer expor publicamente essa “sexualidade” , mas a pratica de forma discreta.

Na próxima imagem, um exemplo de pessoa que pratica o ato homossexual discretamente (ela, como mesma diz, foi sodomizada quando tinha 5-6 anos de idade):

Hetero e passivo

Vejam esta constatação feita pelo pastor Joide Miranda sobre quando era travesti:

Destacando o que ele disse: “99% dos homens que saem com travestis, quem são os ativos são os travestis“. Ele continua dizendo que são homens casados que deixam as suas esposas em casa e vão atrás de travestis. Percebeu a similaridade com o caso anterior (do rapaz casado que frequenta saunas gays)? Em ambos contextos, os maridos vão atrás de outros homens para serem os passivos e não os ativos na relação homossexual. Estamos diante de uma situação alarmante, onde muitas crianças são sodomizadas na infância e carregam esse fardo por toda a vida.

Vimos casos de homens que praticam atos homossexuais discretamente e agora vamos ver os casos de homens que se assumem publicamente homossexuais, transexuais e bissexuais. O que leva esses homens a se assumirem e se identificarem como tais depende basicamente destas variáveis:

  1. A prática homossexual em si já é pode ser suficiente, porém um teor “amoroso” na relação ajuda a reforçar sua condição homossexual. Analisaremos um exemplo desse no decorrer do texto.
  2. Algo comum é a pessoa (criança, adolescente ou adulto) que é levada a prática homossexual acabar associando suas frustrações com o sexo oposto a uma sensação de incapacidade emocional e sexual com a pessoa do sexo oposto. Afinal, as pessoas convivem mais com outras do mesmo sexo, acabam tendo maior afinidade com elas, enquanto que com pessoas do sexo oposto há um chamado biológico para a responsabilidade (família).
  3. E a criação e o ambiente em que a criança vive.

Veremos agora a história de sexo na infância de um transexual que fez cirurgia de mudança de sexo em 2012, até então ele apenas se identificava como homossexual. Repare, no decorrer do texto, que esse homossexual foi abusado quando criança, mas acredita não ter sido abusado. Essa aceitação do abuso como uma prática sexual normal é um dos acobertadores de adolescentes abusadores sexuais de crianças. Muitas vítimas de adolescentes não acham que foram abusadas, diferentemente dos casos em que o abusador sexual é o pai, padastro ou avô (nunca vi nenhum caso onde a vítima de um avô não tenha se sentido abusado).

O conteúdo que vou mostrar foi publicado publicamente pelo transexual em questão, assim que acessei me deparei com isto:

Pedofilia_002

Como já venho analisando essas histórias de sexo na infância e pelo texto chutei que o abusador fosse um adolescente de 13 anos. Chutei pelo fato de ser a idade que mais tenho visto repetir nas histórias que analisei. E pelo jeito acertei, o adolescente abusador tinha mesmo 13 anos:

Pedofilia_000

O homossexual diz que os atos sexuais foram consentidos mesmo ele não entendendo direito o que estava acontecendo (aceitação do abuso como algo normal). Reparem que o adolescente abusador disse “Vamos fazer uma brincadeira gostosa que todo mundo faz?“. Nada malicioso esse adolescente, não é mesmo? Pense nele falando isso para um filho seu! Ele instigou a curiosidade da criança para induzi-la à prática sexual. Algo que eu acho muito sem sentido é que se esse mesmo garoto de 13 anos fizesse sexo com uma mulher de 18 anos (como o cantor Felipe Dylon), haveria o crime de “estupro de vulnerável”, porém um adolescente de 13 anos fazer sexo com uma criança de 6 anos não dá em nada, porque, de acordo com a lei, ambos não podem consentir sexo e menor de 18 anos não comete crime.

Vejamos como ficou a cabeça do menino que aos 6 anos foi feito de “mulherzinha” pelo seu vizinho adolescente de 13 anos:

Pedofilia_001

Percebam a confusão que ficou a cabecinha dessa criança depois de ser feita de “mulherzinha” pelo seu vizinho adolescente de 13 anos! Enquanto a mídia vive focando no adulto abusador, criando um clima de desconfiança generalizada entre adultos; um garoto de 13 anos, que você acha ser apenas um “menino”, pode estar sendo o mais eficiente dos abusadores, alguém que abusa à vontade, discretamente e sem levantar suspeita. 

Vamos ao próximo relacionamento citado pelo homossexual:

Pedofilia_004: Adolescente abusador de 15 anos

Pelos relatos o garoto de 13 anos devia ter um pênis praticamente adulto e o garoto de 15 anos devia ter um pênis de tamanho acima da média.

Vejamos nos comentários mais um caso de adolescente abusando sexualmente de criança:

Pedofilia_005__comentário_01

Pelo relato desse “Anônimo” dá para perceber que trata-se de mais um homossexual que foi abusado sexualmente na infância e não se sente abusado. Se o abusador fosse o seu próprio pai, ele não se sentiria também abusado? Duvido. Perceba como abusos de adolescentes contra crianças tendem a ser facilmente acobertados socialmente.

Pedofilia_005__comentário_02

A pessoa do comentário acima relatou algo muito grave: “os pequenos servindo aos maiores (adolescentes)”. Há uma “Sodoma” onde adolescentes abusam sexualmente de crianças e isso não é denunciado em nenhuma reportagem por ai.

Felizmente, alguém que não acha certo esses abusos sexuais:

Pedofilia_005_críticas 01

O próximo comentário é uma crítica às práticas sexuais na infância relatadas no texto do transexual. Porém, o autor do comentário peca em sugerir que o transexual não revele tais atos publicamente para evitar “preconceito”.

Pedofilia_005_críticas 02

Diante de críticas, o transexual dá suas justificativas:

Pedofilia_005_justificativa 01

Pedofilia_005_justificativa 02

Vimos o relato de um transexual e alguns comentários sobre suas práticas sexuais na infância, onde ele aceita como não-abusivo, os abusos sexuais que sofreu por parte de adolescentes. Como foi falado, tal postura é um dos fatores que colaboram para o encobertamento de abusos sexuais cometidos por adolescentes.

Pior que a “impunidade” é a “sensação de impunidade“: Abaixo os comentários de adolescentes feitos numa página do Facebook. Percebam a sensação de impunidade que transmitem em seus comentários. Como resolver este problema?

Adolescentes ao verem fotos de crianças e adolescentes

Triste realidade do abuso sexual infantil: Há muitos casos de adolescentes que abusam de crianças de cinco e seis anos.

Pela proteção das crianças, um limite mais adequado :

225326_483521361696968_1300181000_n[1]

Campanha contra o abuso sexual infantil:

Campanha05Página no FacebookBrasil Sem Adolescentes Pedofilos Abusadores De Criancas

Site de notícias: Adolescentes Pedófilos.

Pela redução da maioridade penal: http://www.peticaopublica.com.br/?pi=redmai

Jesus é Lúcifer

Jesus é Lúcifer, como está na Biblia:

“Eu, Jesus, enviei o meu anjo para dar a vocês este testemunho concernente às igrejas. Eu sou a Raiz e o Descendente de Davi, e o resplandecente Lúcifer“. Apocalipse 22:16)

“E temos, mui firme, a palavra dos profetas, à qual bem fazeis em estar atentos, como a uma luz que alumia em lugar escuro, até que o dia amanheça, e o Lúcifer apareça em vossos corações”. (2 Pedro 1:19)

Lúcifer se refere literalmente à “Estrela da Manhã”, “Estrela D’Alva”, “Estrela da Alva”, “luz da manhã”, “Estrela Vésper”, “Estrela Vespertina”, “Estrela Matutina” e “Estrela do Pastor”, ou seja, se refere ao planeta Vênus”. Vênus é usado simbolicamente ou metaforicamente como “portador da luz” por nascer antes do Sol no horizonte. É como se Vênus trouxesse o Sol consigo, trouxesse a “luz” que ilumina o dia, além de ser muito brilhosa. Vênus é o terceiro astro mais brilhante no céu depois do Sol e da Lua. Ele reflete 2/3 da luz que recebe do Sol. Vênus recebeu esse nome em referência à deusa grega do amor e da beleza, cuja equivalente romana era Afrodite.

Vênus, Lúcifer, "Estrela da Manhã", "Luz da Manhã"

Vênus, Lúcifer, “Luz da Manhã”, “Estrela da Manhã”, “Estrela D’Alva”, “Estrela da Alva”, “Estrela Matutina”, “Estrela Vésper”, “Estrela Vespertina” e “Estrela do Pastor”

Lúcifer é metaforicamente usado para se referir ao “rei da Babilônia” (Isaías 14:12), ao sumo sacerdote Simão, filho de Onias [Eclesiástico 1:6], à Glória de Deus (Apocalipse 2:28), ou a Jesus Cristo (Apocalipse 22:16) (2 Pedro 1:19).

Conjunção de Vênus, Júpiter e Marte

Conjunção Vênus Júpiter e Marte em Outubro de 2015

Jesus Cristo, no livro de apocalipse (22:16) se auto denomina “a resplandescente estrela da manhã”, o que é diferenciado quando o termo é usado separadamente “estrela da manhã” como “poder sobre nações”. (Apocalipse 2:28 e 26) (Isaías 14:12)

São Jerônimo ao escrever a Vulgata, uma tradução latina da Bíblia hebraica, usou a palavra latina “lucifer” para traduzir a palavra hebraica הֵילֵל em Isaiah 14:12. Esta palavra, transliterada hêlêl ou heylel, aparece apenas uma vez na Bíblia Hebraica e de acordo com a influência da versão do Rei Jaime significa “o brilhante, estrela da manhã, Lúcifer”. O Septuaginta traduz הֵילֵל para grego como ἑωσφόρος (heōsphoros), um nome, literalmente “o que traz o anoitecer”, para a estrela da manhã.

São Jerônimo usou lúcifer para ser o nome do principal anjo caído, e seu nome em hebraico, helel, é derivado do verbo lamentar, pois ele lamenta a sua queda e a perda do seu brilho. Esta visão prevaleceu entre os Padres da Igreja, de forma que Lúcifer não fosse o nome próprio do diabo, mas apenas o seu estado anterior à queda. Como a queda, o ex-anjo passou a ser chamado de Diabo (em latim diabolus, em grego διάβολος, transl. diábolos, caluniador, acusador), ou Satã (em hebraico Shai’tan, Adversário).

Por significar aquele que traz a luz, Lúcifer foi usado como nome próprio entre os primeiros cristãos, sendo o exemplo mais famoso o São Lúcifer, bispo de Sardenha, onde existe a única igreja à São Lúcifer conhecida.

Lúcifer não é o nome do Diabo, apesar de ser uma palavra latina usada para se referir ao diabo antes da queda, antes do anjo perder o seu brilho e deixar de ser um portador da luz. Por isso, é errado associar Lúcifer ao Satanismo.

Filha mata mãe com ajuda do namorado

Adolescente de 14 anos assassina a própria mãe com a ajuda do namorado de 16 anos. O motivo teria sido porque a mãe da menina, aluna do Colégio Adventista da Cohab, não apoiava o relacionamento dela com o rapaz, ambos menores de idade (vulgo “di menó“).

Namorados homicidas

Casal de adolescentes assassinos.  Leths Cutrim e Guii Botelho II (Fonte: Facebook).

Um crime bárbaro cometido na manhã de sábado (23/07/2016) chocou pela crueldade. Tatiana Albuquerque Cutrim Alves, de 49 anos, foi assassinada em sua residência no bairro do Parque Aurora, próximo ao Cohatrac, em São Luís, no Maranhão. A vítima assassinada foi encontrada com um armador de redes envolvido no pescoço. A mulher recebeu três golpes de faca, duas facadas no pescoço e outra facada no abdômen.

Mãe morta pela filha de catorze e seu namorado de dezesseis

Adolescente mata a própria mãe, que não concordava com seu relacionamento. amoroso. Postagem compartilhada, na rede social Facebook, por pessoas indignadas com o assassinato

De acordo com informações da polícia, a jovem adolescente de 14 anos agiu com a ajuda do namorado de 16 anos. Segundo o delegado da Delegacia de Homicídios, Estefânio Aragão, a razão do crime de homicídio teria sido porque a mãe adotiva da novinha não teria aprovado o relacionamento amoroso dela.

Tatiana Albuquerque Cutrim

Tatiana Albuquerque Cutrim Alves, assassinada pela filha adotiva de 14 anos.

O que fazer nessa situação?

O casal cometeu um crime bárbaro, um assassinato, crime hediondo, um homicídio qualificado, talvez um feminicídio pela relação de parentesco. Mas, por serem menores de 18 anos (a idade penal), eles não respondem diretamente por esse homicídio bárbaro, que à luz do ECA trata-se apenas de ato infracional, que pode levar os jovens a serem internados por alguns meses.

No ano passado, em 2015, foi aprovada em dois turnos, na câmara dos deputados, a redução da maioridade penal para 16 anos em casos de crimes hediondos, exceto tráfico de drogas. Mas, a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) não andou no Senado. Mesmo assim, ainda seria pouco, porque a assassina da própria mãe tem 14 anos, menos de 16 anos.

O fato do rapaz ter concordado em cometer um assassinato (matar a mãe da moça) já evidencia que a mãe tinha razão em proibir o relacionamento deles, mas talvez a mãe não esperava que a própria filha fosse pior que o namorado.

Casos de filhas aliciando namorado para matar os próprios pais infelizmente acontece e talvez o mais famoso deles no Brasil seja o caso da Suzane von Richthofen, que mandou matar os próprio pais Manfred Albert von RichthofenMarísia von Richthofen, casal assassinado pelos irmãos Daniel Cravinhos e Cristian Cravinhos a mando da filha.

Está escrito na Bíblia:

“Desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea. Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á a sua mulher, E serão os dois uma só carne; e assim já não serão dois, mas uma só carne”. Marcos 10:6-8

É fato que a sociedade moderna infantiliza adolescentes, tratando-os como crianças grandes, e tal tratamento causa grande irritação nesses jovens, mas isso não justifica tamanha crueldade com os próprios pais.

Adolescente Sodomitas matam Transexual (Malakoi)

Dois adolescentes sodomitas (arsenokoitai) assassinaram um efeminado (Malakoi) após prática sexual na madrugada de segunda-feira (11/07/2016) em Cachoeira do Sul no Rio Grande do Sul. Nickolle Rocha, de 19 anos, foi espancado a socos e pontapés e morreu por traumatismo craniano. O transexual, que havia sido eleito Miss Diversidade de Cachoeira do Sul e Miss Simpatia da Diversidade do Rio Grande do Sul, foi encontrado já sem vida no início da manhã de segunda. Ele estava caído em um canto do Parque da Fenarroz, no bairro Cristo Rei.

Nickolle Rocha, transsexual assassinado

Nickolle Rocha, transsexual assassinado em cachoeira do sul

A polícia investigou o caso e os dois adolescentes acusados assumiram o crime de assassinato. Segundo eles, depois de manterem relações, Nikolle se desentendeu com o mais velho, que começou a agredi-la. O mais novo presenciou a discussão e também agrediu a vítima. Os adolescentes, que já possuem passagens por furto, dano, ameaça e lesões corporais, abandonaram o efeminado desacordado no local.

Fonte: http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2016/07/12/transexual-e-espancada-ate-a-morte-no-rs-dois-adolescentes-sao-suspeitos.htm?cmpid=fb-uol

É comum efeminados (transexuais, gays passivos e héteros passivos) serem vítimas de violência por parte de sodomitas (que geralmente se identificam como héteros “muito macho” por não darem ré no quibe, queimar rosca, ou seja, por não serem penetrados). Os sodomitas se acham melhores por não serem penetrados ou por não chuparem pênis, mas pela Bíblia eles são pecadores do mesmo jeito e muitas vezes responsáveis pela criação de efeminados, quando sodomizam aquele priminho mais novo, por exemplo.

Felipe Heiderich Gay e Pedófilo?

Pastora Bianca Toledo se separa e acusa marido, Pastor Felipe Heiderich (Felipe Garcia Heiderich), de ser gay e pedófilo. O casal tinha fundado o ministério AME (Associação Mundial de Evangelização e Ensino). Eles também fazem parte faz parte do conselho de líderes internacionais da KGM (Kingdom Global Ministry), entidade norte-americana fundada por Larry Tituscom sede em Dallas, Texas, EUA. Bianca Toledo e Felipe Heiderich se casaram em 2013.

Bianca Toledo, Felipe Garcia Heiderich e o menino filho dela

Casal Bianca Toledo e Felipe Heiderich, e o menino filho da pastora.

Bianca acusou o companheiro de abusar sexualmente do enteado de 5 anos, filho de um relacionamento anterior dela. Segundo a denúncia, os abusos sexuais aconteciam durante o banho da criança. A pastora divulgou um vídeo dizendo que estava se separando de Felipe após descobrir que ele era homossexual e encontrava-se “acautelado por crime de pedofilia“.

Felipe nega todas as acusações. Segundo seu advogado, Leandro Meuser, o pastor está sendo vítima de injustiça: “Na qualidade de Advogado de Felipe G. Heiderich venho a público informar que as acusações formuladas contra Felipe são inteiramente falsas… iremos provar a inocência de Felipe nos autos do inquérito policial, confiando no trabalho da Policia e da Justiça! Orem por Felipe para que ele tenha forças para superar essa grave injustiça, e peçam a Deus que ele faça apenas JUSTIÇA, nada mais!”

A mídia como sempre erra ao falar que alguém é preso por pedofilia. Ninguém é preso por pedofilia, porque pedofilia não é crime. Felipe Heiderich foi indiciado pelo crime de estupro de vulnerável por ter feito sexo com uma criança de 5 anos de idade. No Antigo Testamento da Bíblia, não há condenação por alguém fazer sexo com uma criança, mas há pena de morte para quem prática atos homossexuais (sodomia).

A Bíblia cita dois papeis num relacionamento homossexual, o sodomita e o efeminado (ou afeminado).O sodomita é o indivíduo que faz o papel do homem, chamado de homossexual ativo. O sodomita pratica a penetração (sodomização) e têm o seu pênis estimulado pelo outro homem (chupado, masturbado, etc). Já o efeminado é o que faz o papel da mulher, chamado de homossexual passivo. O efeminado é penetrado, têm a sua região anal estimulada e estimula o pênis do outro homem (chupando, masturbando, etc).

Se o pastor Felipe tiver se comportado apenas como efeminado, sem penetrar ou estimular a região anal da criança, provavelmente não afetará a sexualidade do menino, ou seja, a criança continuará heterossexual. Mas, se o pastor tiver se comportado como sodomita, sodomizando, penetrando, estimulando a região anal do menino ou pedindo para a criança chupar o seu pênis, provavelmente afetará a sexualidade da criança e ela poderá se assumir homossexual ou bissexual. Sodomitas produzem efeminados.

Não é porque uma pessoa faz sexo com criança que essa pessoa seja pedófila. Pedofilia é apenas a forte atração sexual por quem não atingiu a puberdade. Pedofilia não a prática sexual com crianças. Há vários motivos para alguém fazer sexo com uma criança, além da pedofilia. Felipe pode ser um efeminado que buscou na criança, por ser menino, uma satisfação sexual, como buscaria com qualquer homem.

Felipe Garcia Heiderich

Felipe Heiderich defendendo a pureza: “Pureza é coisa de homem”

 

Silvio Santos é vítima de preconceito por parte de Maísa

O site esquerdista HuffPost Brasil publicou uma infeliz matéria preconceituosa contra Silvio Santos (Senor Abravanel) ao afirmar que Maísa (Maisa da Silva Andrade) deu “uma boa resposta a Silvio” quando ela afirmou “Você já teve os seus anos de ser galã” e que a Helen Ganzarolli deveria fazer uma cena de amor com alguém “mais jovem” para combinar melhor [1]. A jovem Maísa manifestou o seu preconceito inter-etáriogerontofobia. A matéria do site de esquerda apoiou tal atitude infeliz como resposta à brincadeira do Silvio de fingir beijar a Helen.

Silvio Santos finge beijar Helen Ganzarolli

Silvio Santos simula beijo em Helen Ganzarolli e é vítima de preconceito por parte de Maísa

É para lamentar que um site de esquerda, que se diz lutar contra todo tipo de preconceito, apoiar uma atitude preconceituosa de uma jovem mulher de 14 anos de idade contra um senhor de 85 anos. Independente do que o Silvio tenha feito, nunca é justificável o preconceito. A velha máxima escravagista de “por o negro no seu lugar“, herdada no “por o pobre no seu lugar” é usada para se referir a atitude preconceituosa de Maísa contra o seu patrão Silvio Santos.

Ponha-se no seu lugar“, é uma expressão não totalmente em desuso, frequentemente invocada para ilustrar o comportamento das classes dominantes ou privilegiadas no Brasil, país tão marcado por seu passado escravagista e pelas enormes diferenças socioeconômicas. Ela é certamente uma marca da prepotência desses grupos, ao mesmo tempo em que aponta para a existência de zonas movediças, instáveis, de fronteiras interclasses, onde os que podem têm de se conservar atentos aos atrevimentos dos inferiores que tentem ultrapassá-las. Estes, por sua vez, conhecendo o impasse, procuram evitar humilhações, negociar posições e forçar caminhos.[2]

Maísa preconceituosa

Maísa preconceituosa com Silvio Santos

O “lugar” do negro, do pobre e do velho é onde eles quiserem. Silvio Santos é um senhor ativo a vida toda que ficou rico com o seu empreendimento e não deve ser desrespeitado por ser velho que gosta de viver a vida. A sociedade exclui velhos, como Maísa fez e o jornal “desconstruído” de esquerda apoiou.

Silvio Santos é um velho de sorte por ser rico e poder assim ter uma vida melhor. Diferente de muitos idosos que são maltratados, jogados em asilos e abandonados. Vítimas de uma sociedade preconceituosa, gerontofóbica, que idolatra o jovem e descarta o velho.

[1] Silvio Santos passou do ponto em ‘brincadeira’ com Helen Ganzarolli. E Maísa o colocou em seu lugar http://www.brasilpost.com.br/2016/06/21/silvio-santos-beijo-hellen-ganzarolli-maisa-_n_10576908.html

[2] PONHA-SE NO SEU LUGAR: RESENHA DE MACHADO DE ASSIS – MULTIRACIAL IDENTITY AND THE BRAZILIAN NOVELIST, DE G. REGINALD DANIEL http://www.scielo.br/pdf/mael/v6n11/10.pdf

Marcela Temer: bela, recatada e do lar

Marcela Temer: bela, recatada e “do lar”. Esse foi o título da matéria da revista Veja[1], que indinou feministas (ou feminazis?), que não aceitam que uma mulher possa escolher ser bela, recatada e muito menos do lar. A revista contava a trajetória de vida da Marcela e exaltava suas qualidades como dona de casa.

Marcela Temer e Michel Temer

SÃO PAULO, SP, 20.03.2015: O vice-presidente, Michel Temer e sua esposa Marcela (Foto: Bruno Poletti/Folhapress)

A revista Veja destacou os 43 anos de diferença de idade de Marcela para o seu Marido Temer. Para quê? Para aumentar a sua audiência em cima do preconceito inter-etário? Claro que houve preconceituosos feministas associando a diferença de idade dos dois à pedofilia. Imagine antes do racismo se tornar crime grave, não seria de se espantar que a mídia se promovessem em cima do racismo, ao destacar, por exemplo, que a “loira” Xuxa se casou com o “negro” Pelé. Infelizmente, a mídia vive promovendo preconceitos. e o etarismo é apenas mais um desses preconceitos.

O preconceito inter-etário é uma forma de etarismo, idadismo, ageismo, preconceito etário, discriminação etária, discriminação generacional, onde o preconceito se baseia na diferença de idade entre duas pessoas que se relacionam. Laercio do BBB foi mais uma vítima desse preconceito.

Michel Temer

Michel Miguel Elias Temer Lulia, político e advogado brasileiro, ex-presidente do Partido do Movimento Democrático Brasileiro, vice-presidente do Brasil.

Michel Temer é um idoso de 75 anos, que para os preconceituosos deveria estar no asilo largado, abandonado pelos filhos, e não sendo vice-presidente casado com uma mulher 43 anos mais nova. Mas, Temer está ativo, vivendo a vida que deseja ter e não acomodado e se sujeitando a preconceituosos. Esperamos, que caso ele venha a ser presidente, possa fazer um bom trabalho para essa nação explorada durante séculos.

Marcela Temer (Marcela Tedeschi Araújo Temer) conheceu Michel Temer (Michel Miguel Elias Temer Lulia) em 2002, numa convenção do PMDB, à qual compareceu para acompanhar o tio Geraldo, filiado ao partido e funcionário da prefeitura de Paulínia. Marcela se casou com Temer aos 20 anos de idade, em 26 de julho de 2003, numa cerimônia para apenas doze convidados.

Marcela Temer

Marcela Tedeschi Araújo Temer

Após terminar o Ensino Médio, antigo Segundo Grau, Marcela trabalhou como recepcionista no extinto jornal O Momento e, em 2002, aos dezenove anos, disputou o concurso e recebeu o título de Miss Paulínia, tornando-se. em seguida. vice-Miss São Paulo. Em 2009, Marcela graduou-se bacharel em Direito pela faculdade particular Fadisp, em São Paulo, e, em entrevista, afirmou que não prestou o exame da OAB (Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil) porque, na mesma época, nasceu o seu filho, Michel. Desde que se casou, Marcela não trabalhou mais, dedicando-se a cuidar do filho e do lar.

O artigo da revista Veja “Bela, recatada e ‘do lar’“, foi ironizado como sendo retrógrado e machista. Uma sucessão de memes com fotos de mulheres bebendo em bares, nuas ou fazendo gestos obscenos, acompanhadas da frase “bela, recatada e ‘do lar'” rolaram na Internet. Em um viés político, especulou-se que a intenção do artigo foi diferenciar a imagem da Marcela Temer da presidente Dilma Rousseff, que passava pelo processo de impeachment.

Marcela Temer tem todo o direito de ser bela, recatada e do lar, assim como outras mulheres têm o direito de serem do jeito que elas bem quiserem. Não entendo essas brigas. É tão difícil cada um cuidar da sua própria vida e deixar a vida dos outros para lá?

Marcela Temer

Marcela Temer, futura primeira-dama?

É um absurdo ver feministas, que se dizem defensoras da liberdade feminina, implicar com mulheres belas, recatadas, do lar, prostitutas, funkeiras, etc. Onde está a tal liberdade da mulher ser o que quiser? Como uma pessoa pode ser livre, se ela não pode ir contra a opinião de alguns? A liberdade está em poder desagradar pessoa ou grupo. Quem é obrigado a agradar, não é livre coisa nenhuma e está sob uma ditadura.

Também parem de comparar com a presidenta Dilma Rousseff (Dilma Vana Rousseff). Marcela e Dilma são duas mulheres diferentes, cada uma com suas próprias aspirações e não estão concorrendo a nada, porque uma é dona de casa e a outra a presidente do Brasil. Essas mulheres precisam ser respeitadas e não ofendidas com insinuações e comparações descabidas. A Direita desrespeita Dilma. A Esquerda, especialmente feministas, desrespeita Marcela.

[1]http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/bela-recatada-e-do-lar

MC Melody

Gabriela Abreu, a MC Melody, gerou polêmica em 2015 nas redes sociais ao se apresentar dançando Funk aos 7 anos de idade. Filha de Thiago Abreu, o MC Belinho, Melody dança Funk desde de pequena, fã de Anitta, a menina sonha em ser artista do Funk.

MC Melody (Gabriela Abreu)

MC Melody (Gabriela Abreu), funkeira mirim.

MC Melody, a cantora mirim de 7 anos de idade que reacendeu a discussão sobre erotização infantil. Ora milhões de meninas dançaram o “Segure o Tchan” dos grupos “É o Than” e Gera-Samba, quando eram um só, “Na Boquinha da Garafa” da Companhia do Pagode e tantas outras músicas, como os funks com danças bastante sensuais. É uma hipocrisia querer prejudicar a carreira de uma garota que consegue ganhar dinheiro fazendo o que gosta, cantar e dançar funk, enquanto milhões de meninas dançam todo tipo de música sensual de graça, sem ganhar nada. Apenas como expectadoras. Qual dança não tem a sua sensualidade?

Infelizmente, os moralistas e conservadores, sejam de esquerda e direita, ditos defendores da família e feministas, chegaram ao ponto de querer a prisão do pai da Melody, apenas por ele tentar realizar o grande sonho da menina de sete anos de ser artista do Funk. Lamentável ver a bancada evangélica, que tanto se diz defensora da família, não respeitar a família do MC Belinho.

Se é imoral dançar funk, é infinitamente mais imoral prender os pais de uma menina de apenas sete anos de idade, com quem ela se relacionada muito bem. Prender os pais dela é violentá-la psicologicamente e emocionamente. Violência essa que tornou-se notável no seu semblante após a intervenção descabida dos ministérios públicos estadual de São Paulo e federal.

Uma tática dos moralistas é acusar o pai da menina de estar praticando exploração infantil. Que exploração? Como afirmado, ela canta e dança por gostar e sonhar de ser artista do funk. O pai não a força a nada. Quem ver os vídeos dela antes da perseguição estatal e midiática, percebe que a menina era só alegria. Alegria essa que foi abalada pela intervenção estatal e a ameaça de perda de guarda e de prisão do pai.

Uma criança, ou mesmo um adolescente, não pode ser artista do funk que já vem gente falando de exploração, mas ninguém toca na exploração estatal, que obriga todo mundo a estudar pelo menos 12 anos (Ensinos Fundamental e Médio), frequentando o ensino regular que mais enrola do que ensina, sem contar que a educação estatal é horrorosa. E pagar impostos não deixa de ser um estupro financeiro, que explora o trabalhador, quem produz, para manter a estrutura estatal, que vai ser usada para controlar esse mesmo trabalhador, cidadão.

Sem dúvida, é melhor mesmo cantar funk ou desenvolver uma atividade que dê dinheiro e investir o que ganhar. Isso sim garante o futuro! O Estado está muito mais comprometido a dar vida boa para deputados, juízes, promotores e outros altos funcionários estatais, do que realmente se comprometer com o pobre, que fica destinado a ensino público ruim, hospitais públicos lotados e a toda a burocracia que tortura qualquer um. Precisar acessar o serviço público para alguma coisa é uma lástima.

Não que estudar não seja importante, é importantíssimo e os funkeiros aproveitam a grana que ganham para frequentar escolas de melhor qualidade e não ficarem a mercer da péssima qualidade do ensino público.

Proibir menores de idade de cantar é matar sonhos, dizimar oportunidades únicas, abortar uma vida mais digna e confortável.

MC Melody e Anitta

MC Melody (Gabriela Abreu) e Anitta (Larissa de Macedo Machado), cantora, compositora, atriz e dançarina brasileira de música pop e funk melody.

Equanto não falta ódio para destruir a felicidade de uma menina, que sonha em ser estrela do funk, poucos se importam com meninos de dois anos vestindo roupas de meninas, com a desculpa de desconstrução do gênero e em nome de uma igualidade que não existe. Crianças não são iguais. Não existe gênero neutro. Há meninos e meninas com as suas diferenças biológicas.

“MC Melody e os fiscais da vida alheia”